Em entrevista ao portal UOL, o delegado da Polícia Federal, Igor Romário de Paula, responsável por supervisionar a equipe de investigadores da ''#Operação Lava Jato'', afirmou que o ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, deverá ser detido dentro de 30 ou 60 dias. Entretanto, de Paula também deixou claro que ele não será o responsável para determinar a #prisão de Lula. Ele até poderá pedir a prisão, mas quem vai decidir isso será o juiz federal Sérgio Moro.

Alguns políticos e simpatizantes do PT fizeram várias críticas à conduta do delegado, após o pronunciamento. Para muitos, a declaração acabou fugindo do bom senso.

Publicidade
Publicidade

Os advogados de Lula denunciaram o caso na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. A defesa pede para que o delegado Igor de Paula seja punido por violar o Código de Ética da PF.

Maurício Moscardi Grillo, também delegado da Policia Federal, em entrevista para a revista "Veja", contradisse o colega Igor Romário de Paula. Ele afirma que a PF já perdeu a chance determinar a prisão do ex-presidente Lula. Mas os investigadores da PF dizem que nos próximos dias todos os inquéritos contra Lula ficarão à disposição do juiz Sérgio Moro.

A segurança do juiz Sérgio Moro foi reforçada?

De acordo com Igor de Paula, o juiz Sérgio Moro continua com a mesma segurança de sempre, que está sendo realizada por servidores da Justiça Federal. Isso inclui carro blindado e outros benefícios. Por conta disso, no momento não há previsão para novas alterações no nível de segurança do juiz federal.

Publicidade

Delatores da Odebrecht

Durante os acordos de delações premiadas, os delatores deixaram de citar alguns dados considerados importantes para as investigações. Entretanto, a PF afirma ter em mãos as provas e a ciência sobre os fatos que não foram citados durante as delações. O delegado ainda disse que a equipe do Ministério Publico Federal de Curitiba jamais se opôs a qualquer participação da Policia Federal nas investigações. ''Certa vez surgiu uma determinação da PGR (Procuradoria Geral da União), pedindo para que a Polícia Federal ficasse de fora dos acordos de delação premiada da Operação Lava Jato. Entretanto a medida acabou surtindo efeito depois que a PF saiu da sala de interrogatórios e os acordos de delações começaram a ser feitos de maneira mais consistente'', concluiu o delegado Igor Romário de Paula. #Lula na cadeia