Apesar de faltar mais de um ano, a eleição presidencial de 2018 já está gerando grande repercussão. E um dos protagonistas de tanta repercussão - e principalmente de polêmica - é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que já declarou que pretende se candidatar no próximo ano.

O deputado tem muito apoio popular, apesar de muitos temerem sua candidatura. Dentro da Câmara Federal não é bem assim. O candidato é vangloriado pelos eleitores justamente por ser independente e por isso dentro da #Política não possui muitos apoiadores. Um exemplo disso foi quando o deputado se candidatou a presidente da Câmara dos Deputados na semana passada e recebeu apenas quatro votos, ficando em último lugar entre os seis candidatos.

Publicidade
Publicidade

Os partidos que #bolsonaro mais critica e faz campanha contra são o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) e o PT (Partido dos Trabalhadores), e os filiados a eles contribuem a opinião negativa do deputado. O deputado federal #Jean Wyllys (PSOL-RJ) e a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) se manifestaram contra a candidatura de Bolsonaro e até falaram que vão sair do Brasil caso o deputado vença para a Presidência da República.

Não é a primeira vez que eles fazem afirmações desse tipo. Há duas semanas, quando Jair Bolsonaro se candidatou a presidente da Câmara dos Deputados, Jean Wyllys e Maria do Rosário afirmaram que iria renunciar seus cargos de deputados caso ele ganhasse. Como o deputado não ganhou, nunca saberemos se a ameaça dos dois foi para valer.

O embate entre Jair e Jean é longo, os dois deputados estão sempre de lados opostos em batalhas na Câmara, como, por exemplo, sobre os projetos voltados a educação.

Publicidade

Bolsonaro apoia o projeto de lei da "Escola sem partido" e Jean criou o "Escola livre". Quando indagado sobre a possível eleição de Jair, o deputado Jean Wyllys afirmou "É óbvio que eu vou sair [do Brasil]”. E após ele começar essa polêmica, as páginas do Facebook que apoiam Jean concordaram com os planos do deputado, como pessoas falando: "Se é para voltar à ditadura, eu vou embora do Brasil”.