Há pouco mais de dez dias, a deputada federal #Maria do Rosário Nunes (PT-RS) comemorou em sua página oficial do Facebook os quase 200 mil seguidores que acompanhavam seu trabalho na rede social. Filiada ao #Partido dos Trabalhadores, Maria do Rosário tem 50 anos e é ativa no cenário político desde 1993, quando era vereadora em Porto Alegre, capital gaúcha, pelo PCdoB.

Na publicação, a equipe da deputada dizia que "juntos somos mais fortes" e pedia para que mais pessoas seguissem a página para conhecer o seu trabalho. Maria do Rosário é conhecida pelo seu envolvimento com direitos humanos e das mulheres.

Nos comentários, porém, a maioria revelava participar da página apenas para "rir da cara" de Maria do Rosário ou ficar a par das suas ações sem concordar com as mesmas.

Publicidade
Publicidade

Segundo muitos comentários, a impressão passada era de que o grande número de seguidores não era referente à apoiadores de Maria do Rosário e de sua forma de fazer política, e sim de opositores.

Na ocasião, muitos haviam, inclusive, comparado a deputada com o ditador Adolf Hitler. "O número de seguidores que você tem, não te faz melhor que ninguém! Hitler tinha milhões e Jesus 12! (sic)", dizia um comentário com bastante apoio. A comparação foi repetida em outros comentários, assim como declarações mais agressivas. "Estou aqui só para rir da tua cara e de quem te segue" foi uma delas.

Após a repercussão deste ocorrido, o número de curtidores e seguidores da página caiu em quase três mil pessoas, indo contra o fluxo de crescimento comemorado pela deputada. Segundo comentários em outras postagens, eleitores e participantes da rede social decepcionaram-se com a falta de atenção dada por Maria do Rosário ao estado de calamidade do Espírito Santo durante a greve da Polícia Militar, que durou dias e resultou em um grande número de crimes e mortes.

Publicidade

Pelo seu posicionamento popular, muitos esperavam de Maria do Rosário um pronunciamento ou uma visita de apoio ao Estado, o que não aconteceu, além de poucas menções à greve no microblog Twitter e nos comentários, em resposta às críticas.

#bolsonaro