O corpo da ex-primeira-dama Marisa Letícia foi cremado na tarde deste sábado (4), em São Bernardo do Campo, região do ABC Paulista. No velório, realizado na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, o ex-presidente Lula fez um discurso emocionado durante a cerimônia.

“Na verdade, Marisa morreu triste”, disse #Lula. Em seguida o ex-presidente explicou os motivos: “(pela) canalhice que fizeram com ela, e a imbecilidade e a maldade que fizeram com ela”. A ex-primeira-dama faleceu nesta sexta-feira depois de ficar alguns dias internadas devido a um acidente vascular cerebral (AVC).

Enquanto Lula falava, foi possível ouvir gritos de “Moro golpista”.

Publicidade
Publicidade

No final, o ex-presidente, bastante emocionado e com a voz embarcada, encerrou o discurso sob sonoros aplausos dos milhares de presentes ao funeral da ex-primeira-dama.

Redes sociais

Em situações como essa, as redes sociais, especialmente o Twitter, costumam se dividir. Dessa vez não foi diferente. Diante do discurso do ex-presidente Lula no velório de sua esposa, internautas se colocaram contra e outros se colocaram à favor do provável candidato do PT nas eleições de 2018. Lula só não concorre se for condenado em segunda instância em um dos cinco processos em que é réu – três deles da Operação Lava Jato.

Essa internauta, claramente favorável ao ex-presidente, postou uma mensagem de apoio a Lula e ainda usou uma imagem de #Marisa Letícia com uma frase que faz referência a atual primeira-dama, Marcela Temer, que foi chamada de “bela, recatada e do lar” pela revista Veja.

Publicidade

Essa outra internauta mostrou-se contrária ao discurso do ex-presidente no velório da esposa. Faltou amor, pudor, segundo ela, que ainda alfinetou setores da esquerda que pregam “paz e amor”.

Sem dúvida nenhuma, o enterro de dona Marisa Letícia foi um momento triste para todos os petistas, já que a ex-primeira-dama participou ativamente da criação do Partido dos Trabalhadores (PT) e confeccionou a primeira bandeira da legenda, no início dos anos 1980. Lula foi presidente do Brasil entre 2003 e 2010.