O atual presidente Michel Temer (PMDB) chegou a São Paulo nessa quinta-feira (2) para ver o ex-presidente Lula da Silva no hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, onde a ex-primeira-dama dona Marisa está internada desde o dia 24. Ao adentrarem ao hospital, Temer e sua comitiva foram bastante hostilizados por um grupo.

Na capital do #Brasil (Brasília), foi dedicado um minuto de silêncio no Congresso para a ex-primeira-dama #Marisa Letícia #Lula da Silva. Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, deu os pêsames à família do ex-presidente Lula. A ex-presidente da República Dilma Rousseff enviou uma nota de pesar: “Estamos juntos, presidente Lula, agora e sempre”.

Publicidade
Publicidade

Lula também recebeu o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) no Sírio-Libanês. Diversas fotos do encontro foram postadas nas redes sociais de Lula.

As visitas vieram a acontecer assim que o boletim médico do hospital informou que dona Marisa ficou sem fluxo cerebral. A família de Dona Marisa Letícia deu a autorização para doação de órgãos, conforme post que foi publicado na página do Facebook do ex-presidente.

Lula veio agradecer aos petistas nas redes sociais o apoio e orações dedicadas à sua mulher.

“A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos 10 dias pela recuperação da ex-primeira-dama dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgãos”, diz o post.

Publicidade

Logo após, a página do Facebook de Lula atualizou a foto do perfil e colocou uma foto do casal.

Além do ex-presidente FHC, também visitaram o ex-presidente os senadores e petistas Lindbergh Farias, Gleisi Hoffmann e Humberto Costa. Todos chegaram juntos e evitaram dar entrevistas. Também foram ao hospital os ex-ministros Gilberto Carvalho, Celso Amorim e Eleonora Meniucci.

Os militantes do Partido dos Trabalhadores (PT) e sindicalistas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) prestaram várias homenagens à ex-primeira-dama na porta do Hospital Sírio-libanês. Os militantes colocaram rosas e fizeram orações para Marisa.