O juiz Sergio Moro foi o principal palestrante, nesta segunda-feira (6) ,de um evento que ocorreu na Universidade Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos. Ele foi convidado como conferencista para falar sobre corrupção em um seminário que abordava o tema.

No início do evento, quando começou a falar sobre o esquema descoberto pela Operação #Lava Jato, pessoas que estavam no local em menor número começaram a vaiar #Moro em forma de protesto contra o juiz. Apoiadores de Moro não aprovaram o ato de protesto e começaram um processo maior de vaias contra os manifestantes.

A finalidade do evento era debater a governança, além do combate à corrupção no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Entre as pessoas que assistiam à palestra havia apoiadores de Moro, que aplaudiam ao juiz, ignorando as criticas dos manifestantes que o chamavam de ser "tendencioso", ou seja, parcial nos julgamentos.

Consta que uma das participantes protestou exigindo que o evento não acontecesse. Posteriormente, outras pessoas começaram a manifestar atos contra o magistrado, alguns, inclusive, começaram a manifestar-se gritando “fora, Moro”.

As pessoas devem ter liberdade para se manifestar, mas algumas vezes podem estar informadas, disse o juiz ao ser indagado sobre os atos de protesto.

Apesar do aparente constrangimento em que foi exposto, Moro esperou a segurança da universidade retirar os manifestantes do local em que palestrava. Após a retirada, Moro iniciou a palestra, falando dos desdobramentos da Operação Lava Jato.

Publicidade

Além disso, também disse como funcionava a famosa corrupção sistêmica que tem sido aplicada no Brasil. Afirmou ainda que a corrupção a confiança na democracia brasileira.

Verifica-se que no momento em que perguntas foram feitas, quando questionado por repórter do jornal Folha de S. Paulo se a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva trará influência no processo da Lava Jato, pediu desculpas e diz que não responderá sobre o assunto por acreditar que não seria apropriado, fato que fez parte da plateia aplaudir.

Com relação à foto que causou polêmica, em que aparece rindo ao lado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), comentou que estava em um evento público e que não conversava sobre a Lava Jato.

Para finalizar a palestra, afirmou que "espero que daqui alguns anos a Lava Jato tenha deixado a democracia mais forte no Brasil, e que corrupção seja uma lembrança do passado.". "Não podemos assegurar que isso vai acontecer, mas temos que ter esperança", disse Moro.