O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação #Lava Jato, entrou em contato com a Interpol para que eles pudessem prender dois operadores que estão foragidos nos Estados Unidos. Jorge Luz e seu filho Bruno Luz repassavam propinas de contratos da Petrobrás para o #PMDB.

Moro determinou que os nomes deles sejam colocado no rol de foragidos internacionais da Interpol. O juiz ainda pediu o bloquei de suas contas e se eles forem presos no exterior, o juiz irá pedir a extradição deles para o Brasil.

Jorge Luz e seu filho se beneficiaram de propinas de três diretorias da Petrobrás. Numa dessas diretorias, ligada à área internacional, eles teriam intermediado propinas em contratos de compra e operação de navios-sonda.

Publicidade
Publicidade

Envolvimento do PMDB

O ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró, disse, em sua delação, que estava num jantar com Jorge Luz na casa do senador Jader barbalho, do PMDB e com a presença de outros políticos como o ex-presidente do Senado Renan Calheiros, o ex-diretor da Transpetro, Sérgio Machado e o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

No jantar, entre eles, ficou combinado o repasse de R$ 6 milhões ao PMDB. Esse dinheiro iria ser retirado das diretorias de abastecimento e internacional da Petrobrás. De acordo com Jorge, eles poderiam retirar grandes quantias desses locais.

Defesa dos envolvidos

Renan Calheiros comentou que mesmo conhecendo Jorge Luz, não tinha mais nenhum vínculo com ele. Renan deixou claro que não há nenhuma irregularidade em suas relações com as empresas e diretores.

Publicidade

Jader Barbalho negou ter participado do jantar com Cerveró e disse que o ex-diretor da Petrobrás está "fantasiando" um encontro que nunca existiu.

Sérgio Machado disse que não poderá comentar o caso devido estar em processo de acordo colaboração. O senador Romero Jucá avisou que o PMDB não tem nada a ver com essas investigações.

E por último, a Petrobrás afirma que é vítima desses fatos que estão sendo investigado pela força-tarefa. A estatal petrolífera já recuperou R$ 660 milhões pelas autoridades. #Sergio Moro