Eunício Oliveira (#PMDB-CE), eleito o novo presidente do Senado Federal, nesta quarta-feira (01), enviou alguns recados contundentes a cada um dos três Poderes. Eunício prometeu atuar com grande responsabilidade para manter a ordem nos projetos e ser pacificador nos embates dos parlamentares. "Atuarei como embaixador dos políticos, no Congresso", disse ele. Em relação ao governo do presidente Michel Temer, Eunício disse que estará a disposição do peemedebista para ajudar o País a superar a crise, aprovando medidas necessárias.

Ao Judiciário, o novo presidente do Senado reagiu com mais rigidez. Ele enviou uma mensagem dura aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e juízes de outras instâncias, mesmo sem citar a Corte e a Operação Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

"Serei firme, duro e líder quando um Poder parecer se levantar contra outro Poder", ressaltou.

O PMDB está no comando da Casa desde de 2001. O ex-presidente do Senado Renan Calheiros agora será o líder do PMDB.

Eunício pretende seguir a mesma linha de Renan Calheiros. Renan também vivia em grande discussões com o Judiciário. O ex-presidente do Senado reclamava do abuso de autoridade dos juízes e tentou, no ano passado, aprovar uma medida que punisse juízes que abusassem do poder.

Lava Jato

Os dois aliados, Renan e Eunício, são alvos da Operação Lava Jato. Eles foram citados por delatores. O novo nome do Senado é acusado de tentar beneficiar a empresa Odebrecht com mudanças em medidas provisórias. Ele ainda não foi alvo de abertura de inquérito, mas seu nome permanece nas investigações.

Cutucada de Renan

Em seu discurso final, Renan deu uma pequena "cutucada" na presidente do STF Cármen Lúcia.

Publicidade

Renan disse que é necessário que se derrube o sigilo das investigações para que a população não seja manipulada. Esta fala do peemedebista se refere a decisão de Cármen Lúcia de manter sob sigilo as delações da Odebrecht.

Com a morte de Teori Zavascki, existe um grande anseio do PMDB para que Temer indique alguém que não seja "avesso à política", mas sim palatável à CCJ e ao Senado. #EunicioOliveira #Senado Federal