A #Polícia Federal (PF) deflagrou desde a madrugada desta quinta-feira, dia 23, a 38ª fase da Operação Lava Jato. Batizada de Blackout, a operação expediu mais de 15 mandados de busca e apreensão, e dois de prisão preventiva. No momento, a PF busca Jorge Luz e seu filho, Bruno Luz, operadores financeiros acusados de atuar como facilitadores na movimentação de verba de propina paga a executivos da #Petrobras. O Ministério Público também acusa pai e filho de manterem contas no exterior para repassar propinas a outros agentes públicos.

Segundo noticiado pelo portal G1, Jorge Luz teria sido o responsável pelo pagamento de propinas a conhecidas figuras do esquema, como o ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, e ao senador Renan Calheiros, do PMDB.

Publicidade
Publicidade

A informação foi revelada por Cerveró em um de seus depoimentos ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da #Lava Jato.

“O Jorge Luz era um operador dos muitos que atuam na Petrobras. Eu conheci o Jorge Luz, inclusive nós trabalhamos, também faz parte de uma propina que eu recebi”, disse Cerveró. “Ele foi o operador que pagou os US$ 6 milhões, da comissão. Da propina da sonda Petrobras 10.000, foi o Jorge Luz encarregado de pagar ao senador Renan Calheiros...”, completou.

Através de sua assessoria, o senador Renan Calheiros negou as acusações de que recebeu propina, e afirmou estar à disposição para prestar novos esclarecimentos à Justiça.