O Instituto Paraná Pesquisas divulgou, no dia 15 de fevereiro, #pesquisa sobre o panorama político, econômico e social do Brasil. Os 2.020 entrevistados, em 146 municípios brasileiros, responderam a dezenas de perguntas, entre elas se a mídia e o #Poder Judiciário protegem nomes do #PSDB e do PMDB. O resultado mostra que a grande maioria acha que sim: políticos destes dois partidos são protegidos.

Mídia e Poder Judiciário

Quando se fala em Poder Judiciário, o principal nome que vem à mente é o do juiz federal Sérgio Moro, baseado em Curitiba e responsável por julgar os casos da Operação Lava Jato em primeira instância. A mesma pesquisa apontou que Moro persegue Lula para a maioria dos entrevistados.

Em relação à mídia, a Rede Globo, principal emissora do país, sempre é acusada por todos os lados de ser imparcial.

Publicidade
Publicidade

Por isso, é provável que os entrevistados tenham respondido que sim pensando na emissora.

Números

Sessenta e um por cento dos brasileiros acreditam que mídia e Poder Judiciário protegem nomes do PSDB e do PMDB. Para 33,7% não há essa proteção. Pouco mais de 5% não souberam responder ou não opinaram.

A região do país que mais acredita que há proteção a nomes das duas legendas é a sudeste, onde 63,3% assinalaram sim para a pergunta. Apenas 31,2% disseram que não.

Na região sul, 62,8% disseram acreditar em uma proteção a nomes como Aécio Neves (PSDB), José Serra (PSDB), Geraldo Alckmin (PSDB), Renan Calheiros (PMDB) e Michel Temer (PMDB), todos eles citados na Lava Jato.

A região nordeste apresentou o menor número de “sim” para a pergunta feita pelo Paraná Pesquisas: 57,4%. Para 37,9% não há proteção a nomes de nenhum partido.

Publicidade

No norte e centro-oeste, cujos dados são conjuntos, 59% acredita em proteção e 33,8% não acredita.

Essa pesquisa mostra que algumas atitudes do Poder Judiciário precisam ser revistas para que uma operação séria como a Lava Jato não seja vista pela população como um movimento meramente político, cujo objetivo é simplesmente destruir um outro partido e não acabar com parte da corrupção existente no Brasil.