A Polícia Federal acusou o #Pastor Silas Malafaia, o televangelista mais influente do país. A acusação é parte de uma investigação sobre possível #Corrupção envolvendo milhões em royalties minerais em excesso. Na verdade, Malafaia teria operado um esquema de lavagem de dinheiro através de sua igreja, Vitória em Cristo.

Em 16 de dezembro, a polícia questionou Malafaia sobre as acusações. No momento de seu interrogatório, o televangelista negou qualquer irregularidade em sua conta no Twitter, afirmando: "Conheço o poder das trevas". Os detetives nomearam a investigação Operação Timóteo, uma referência a uma passagem sobre a Primeira Epístola de Paulo a Timóteo: "Aqueles que querem ficar ricos caem em tentação e uma armadilha e em muitos desejos tolos e nocivos que mergulham as pessoas em ruína e destruição." Malafaia é famoso por seus discursos ameaçadores para outros grupos sociais e por sua propensão à ostentação.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a revista Forbes, a sua fortuna é estimada em R$ 300 milhões. À medida que os grupos evangélicos brasileiros crescem em número, vão se tornando uma força #Política cada vez mais dominante. Ao ponto que Silas Malafaia participou na campanha de mais de 500 candidatos para o Congresso em 2014.

Controvérsias

Silas Malafaia não é o único televangelista acusado de corrupção. Em agosto, a terceira maior igreja do Brasil, a Igreja Universal do Reino de Deus, foi acusada de realizar operações de dinheiro ilegal no exterior. A informação veio de um ex-bispo da igreja. De acordo com o bispo, a Universal enviou dinheiro para a Europa usando uma rota ilegal através da África. O dinheiro foi criado em Angola e levado para a África do Sul. Em seguida, transferiram para a sua casa em Portugal através de jatos privados.

Publicidade

No entanto, o bispo não apresentou documentos que corroborassem sua história.

A revista britânica The Economist descreveu uma vez os grupos evangélicos brasileiros como igrejas "baseadas em resultados", uma vez que sua estratégia consiste em reunir o rebanho prometendo a intervenção divina em troca de dinheiro. Uma famosa frase irônica afirma: "se Deus é o caminho para a salvação, então essas igrejas são a cabine de pedágio".