Como se não bastasse o risco que o carioca está vivendo, de ter as atividades da polícia militar paralisadas, assim como aconteceu no Espírito Santo, no fim dessa tarde o governador do estado, #Pezão, foi destituído do cargo e o Rio de Janeiro está sem um governante.

A decisão foi tomada após a conclusão de que houve uso de material irregular durante a campanha política do governador. Em uma votação acirrada, o político foi cassado por 3 votos a favor e 2 votos contra a cassação. O ex-governador ainda pode recorrer para tentar retornar ao cargo.

Com a saída de Pezão, existe a linha sucessória para assumir o cargo, entretanto, não se descarta a realização de novas eleições.

Publicidade
Publicidade

Como o político estava no terceiro ano do mandato, uma previsão constitucional determina que não é possível a realização de eleição direta, somente indireta. Caso semelhante ao que pode, hipoteticamente, acontecer com Michel Temer, se for cassado pelo TSE.

Pezão também é alvo de acusações de alguns investigados em crimes de lavagem de dinheiro e corrupção, incluindo o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, que se encontra preso. O político chegou a dizer que está tranquilo e que as acusações não procedem. Segundo algumas revistas que teriam tido acesso aos depoimentos das delações sigilosas da operação Lava Jato, o ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes, também foi citado por Leandro Andrade Azevedo, executivo da Odebrecht.

O senador Lindbergh Farias e Garotinho, que também foi preso, teriam sido citados em delações que os acusam de ter recebido propinas milionárias.

Publicidade

Todos que foram citados na possível delação, negam a veracidade das informações e se dizem tranquilos sobre a sua inocência.

Até o momento, a assessoria de imprensa de Pezão ainda não se pronunciou sobre a cassação. Os cariocas estão mais aflitos com a notícia, pois, com a ameaça de greve da PM e o caos da quebra dos cofres públicos, a situação pode ficar ainda pior sem um governador, por mais breve que seja o período. Servidores públicos estão com pagamentos parcelados desde o ano passado e alguns, não têm recebido. #Governador cassado #Justiça