O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) é o franco favorito para conquistar a vitória no pleito eleitoral que irá eleger o novo presidente do Senado Federal nesta quarta-feira (1º). O objetivo do peemedebista era realizar um acordão e ele ser o único candidato na eleição, porém, o senador José Medeiros (PSD-MT) frustrou seu plano e haverá sim uma "competição" - mesmo que simbólica, já que o nome de Eunício é praticamente unânime, ele recebe apoio do governo, obviamente, e até da oposição.

Eunício Oliveira foi aliado do PT durante os muitos anos de proximidade entre o Partido dos Trabalhadores e PMDB. Ele chegou a ser ministro das Comunicações durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Publicidade
Publicidade

Quando do rompimento entre os partidos durante o impeachment de Dilma, o senador do PMDB foi um dos que articulou os votos contrários à petista. Eunício é considerado um dos principais caciques do partido de Michel Temer e foi citado em delações da Odebrecht divulgadas pela imprensa com o apelido de "Índio".

Caso Eunício seja confirmado mesmo como presidente do Senado, essa será a 7ª vitória seguida do PMDB na eleição para presidente da Casa Legislativa. Garibaldi Alves Filho foi eleito em 2007 para o mandato até o começo de 2009, José Sarney comandou o Senado por dois mandatos seguidos, de 2009 a 2013, e Renan Calheiro acaba de concluir também seu segundo mandato seguido (2013-2017). Se eleito, o mandato de Eunício será até o início da legislatura em 2019. Calheiros havia ganho também em 2005, mas renunciou antes do fim do mandato.

Publicidade

Exceção

O petista Tião Viana (AC) foi o último não peemedebista a assumir o cargo de presidente do Senado, e mesmo assim ele estava substituindo um senador do PMDB. Viana ficou apenas alguns meses no cargo, ele era o 1º vice-presidente da Casa Legislativa quando, em outubro de 2007, Renan Calheiros, que era o presidente do Senado, renunciou ao cargo em uma manobra para não ser cassado - ele respondia a três processos por quebra de decoro parlamentar. Calheiros renunciou dezembro ao cargo de presidente, o que fez com que ele mantivesse o mandato de senador e não fosse cassado.

Após a renúncia de Calheiros, Viana convocou novas eleições. Foi quando Garibaldi Alves Filho, outro peemedebista, foi eleito presidente da Casa, encerrando assim um breve hiato do PMDB fora do comando do Senado.

Explicação

Uma das justificativas para que o PMDB esteja constantemente no comando da Casa Legislativa é o tamanho de sua bancada. Atualmente, o partido conta com 19 senadores, oito a mais do que o PSDB,eun que tem 11 e ocupa o segundo lugar.

Publicidade

O PT é a terceira maior bancada com 10, quase a metade dos peemedebistas. O partido tem há maior bancada da casa legislativa há 10 anos. Para se ter uma ideia, em 1998, o PMDB chegou a ter 29 senadores ocupando as cadeiras federais.

Acordo de "cavalheiros"

Renan Calheiros está apoiando a candidatura de Eunício Oliveira ao cargo de presidente do Senado. O acordo firmado com o senador de Alagoas é que ele ficará como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, a principal Comissão do Senado. #Dentro da política