O recém-empossado prefeito de São Paulo, João Doria, começou seu mandato em ritmo acelerado. São diversas notícias de medidas que o prefeito está fazendo na cidade e isso tem apenas pouco mais de um mês. Para quem está acompanhando de longe, já é difícil de acompanhar o ritmo do novo prefeito, então pra quem trabalha com ele então, a dificuldade aumenta mais ainda.

Pelo menos dois dos secretários de João #Doria estão pensando em desistir do cargo que ocupam há um mês e o motivo disso é a fadiga. O ritmo frenético do novo prefeito não é qualquer um que aguenta e os funcionários dizem não conseguir acompanhar.

Um dos secretários disse que todo dia, quando acorda às 6 horas da manhã, ele se sente culpado.

Publicidade
Publicidade

O motivo de tal culpa? Os grupos de WhatsApp de Doria começam a agitar as conversas sobre trabalho às 5h. O prefeito paulista dorme apenas durante 3 horas por noite.

Ele só para de trabalhar à meia-noite, faz exercícios físicos por duas horas antes de dormir e, então, tira seu descanso das 2 da manhã até às 5h. A revista Veja havia publicado que Doria tomava uma substância que o fazia dormir imediatamente e o deixava descansado para um novo dia, mas após a publicação da informação o prefeito contatou a revista e negou tal afirmação. O prefeito disse que a única coisa que faz é tomar vitaminas pela manhã para conseguir passar o dia firme.

Principais medidas

Uma das medidas mais importantes de Doria foi a organização das contas públicas. O prefeito passou a seguir um princípio básico que qualquer aluno de Administração aprende, que é não gastar mais do que se arrecada.

Publicidade

Parece ser uma coisa simples, mas há algum tempo não era praticada nas gestões anteriores a Doria.

O prefeito também exonerou quase 600 funcionários contratados sem concurso durante o mandato de seu antecessor, Fernando Haddad. Doria pretende reduzir em 30% o total de 6 mil funcionários comissionados na administração, com o objetivo de enxugar a máquina pública. Segundo ele, é para melhorar a qualidade dos serviços para os paulistanos. #Política #São Paulo