Nesta próxima quinta-feira (09), o juiz federal responsável pelas investigações da operação #Lava Jato, Sérgio Moro, intimou o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, para fazer a testemunha de defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

A acusação, que Okamotto está respondendo, é dele ter contratado serviços de uma empresa de transportes, porém utilizando o dinheiro de uma empreiteira, o serviço seria para guardar bens pessoais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. #FHC acabou sendo intimado, pois Okamotto quer mostrar para o juiz Moro que é comum ex-presidentes receberem presentes e terem que guardar em um local "especial", o presidente do instituto alega que essa prática é legal perante a lei.

Publicidade
Publicidade

No início de dezembro, do ano passado, Fernando Henrique Cardoso foi intimado e seu depoimento só iria acontecer quase dois meses depois. O ex-presidente Lula é réu nesse processo e sua mulher, Dona Marisa Letícia, que faleceu no último dia 24, também era ré na acusação.

Juiz Sérgio Moro

O juiz federal Sérgio Moro conseguiu muita notoriedade pela sua forma de conduzir as investigações da operação Lava Jato, colocando na cadeia grandes nomes da sociedade envolvendo grandes empresários e ex-presidentes.

Participando de evento internacionais, nesta última segunda-feira (06), esteve nos Estados Unidos em um evento da Universidade de Columbia, Nova York. Pronto para a palestra, o juiz foi interrompido por duas mulheres que o acusavam de ser parcial nas investigações. De braços cruzados, o juiz esperou os "ânimos" se acalmarem e iniciou normalmente sua apresentação, o juiz foi ovacionado e homenageado com muitos aplausos.

Publicidade

Moro explicou que os americanos não tem ideia da quantidade de processos que tramitam no Brasil, contou que é "uma história sem fim", "é além da imaginação".

Sérgio Moro lembrou que foi indicado pela Associação de Juízes Federais para a vaga de ministro e relator do processo da Lava Jato no Supremo, ele disse "não achar que seria escolhido", seu nome foi enviado para o presidente Michel Temer que decidiu colocar Alexandre de Moraes na vaga. #SérgioMoro