A revista IstoÉ publicou ontem (10) que Marcelo #Odebrecht contou, em delação premiada, exatamente como havia sido montada toda a estratégia para financiar a eleição de #Dilma Rousseff em 2010. Segundo a revista, o dinheiro foi repassado em caixa 2 pela Braskem.

A IstoÉ disse ter tido acesso à parte da delação da Odebrecht e deu-se conta de que ele negociava e fazia repasses em dinheiro pela Braskem, que é uma empresa química e petroquímica brasileira com participação expressiva da Petrobras.

Segundo Marcelo Odebrecht, o financiamento da campanha foi feito em conjunto com Guido Mantega. Em uma das reuniões, Mantega foi taxativo em relação a valores e disse que precisava de R$ 50 milhões para a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Em troca a Braskem teve benefícios fiscais.

O advogado José R Batochio, quando procurado pela revista, afirmou que Mantega “nega peremptoriamente os fatos relatados”. Com relação à delação ele foi enfático em dizer que os delatores mentem para obter benefícios.

A reportagem cita ainda vários outros envolvidos, colocando "peças novas" na jogada, dentre eles, Cláudio Melo Filho, diretor de Relações Institucionais, Bernardo Gradin, antecessor de Fadigas e Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado, supostamente um dos que recebiam propina autorizada por Carlos Fadigas, que já reconheceu sua participação nos pagamentos e outros trâmites para as efetivações das relações de propina.

Resposta de Dilma Rousseff

Em nota à imprensa, na data de hoje, 11, Dilma diz que a revista insinua de maneira vil e irresponsável, mas lhe faltam provas e que jamais manteve contatos pessoais com Marcelo Odebrecht para obter vantagens financeiras, tampouco enviou terceiros em seu nome.

Publicidade

Afirma também que a IstoÉ ignora as regras de jornalismo. "Todas as doações de empresas foram legais e registradas na Justiça Eleitoral, em 2010 e 2014", diz. A nota é encerrada acusando a Editora Três de ter movido uma campanha sórdida em 2015 que repercute até o momento, mas que não prevalecerá.

Nota à imprensa, na íntegra

#Política