O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da operação #Lava Jato, negou um pedido de habeas corpus do ex-deputado Eduardo Cunha, que se encontra no Complexo Médico Penal. O juiz aproveitou a ocasião para focar em um assunto de relevância: a necessidade de haver prisões preventivas. O comentário de Moro seria um "indireta" para o ministro Gilmar Mendes que havia criticado as "prisões alongadas".

Para "defender" as prisões preventivas, Moro citou o falecido ministro Teori Zavascki que se baseava nessa linha de julgamento e que manteve Eduardo Cunha na cadeia. As conclusões de Sérgio Moro fizeram um "nó" e atingiriam em "cheio" os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

Na próxima semana, os magistrados irão julgar se cunha irá se manter na prisão ou se estará em liberdade.

Caso o STF resolva revogar a prisão de Cunha, eles iriam ser "do contra" conforme as opiniões que Teori Zavascki defendia. A morte de Teori causou grande comoção no país após a queda de um avião na região do Paraty, Rio de Janeiro. Agora, os ministro do STF terão que escolher se Cunha irá se manter na prisão ou se irão contra a decisões de Teori, consequentemente atingido a opinião pública que "odeia" Eduardo Cunha.

Sérgio Moro lembrou que a segunda instância manteve Cunha na cadeia baseando-se em processos que foram exaltados com depoimentos do peemedebista, as decisões de prisão partiram dos ministros Félix Ficher (STJ) e Teori (STF).

Sérgio Moro foi enfático ao explicar que Teori teve duas oportunidades para livrar Cunha da prisão, mas não o fez.

Publicidade

Emparedando o STF, o juiz disse que "não trairá o legado de Teori". Moro citou a importância que a prisão preventiva trouxe para o país, dizendo que a sociedade brasileira e os cofres públicos ficaram protegidos de novos crimes. O juiz citou os nome de Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff mostrando que, se não fosse a prisão preventiva, eles estariam recebendo propina.

Moro diz que críticas sobre as prisões preventivas mostram que existem poderosos que se distinguem dos outros: "lamentável de que há pessoas acima da Lei". #SérgioMoro #Corrupção