Michel Temer nesta segunda-feira (13), rebateu as críticas de que ele promoveu um assessor próximo para protegê-lo de acusações e prometeu demitir qualquer ministro acusado de #Corrupção.

Embora ele não tenha mencionado o assessor pelo nome, a declaração de #Temer causou polêmica nas mídias, que foi desencadeada depois que o presidente promoveu Wellington Moreira Franco, no dia 2 de fevereiro para um cargo que lhe protege das investigações e garante o foro privilegiado, onde ele seria parcialmente protegido de ações judiciais sobre corrupção no caso da 'Operação #Lava Jato'.

A investigação está centrada em torno da empresa estatal de petróleo brasileira Petrobras, que ao longo dos últimos dois anos já incriminou dezenas de governantes de cargos altos, políticos e líderes corporativos e pode incriminar muitos mais, incluindo o próprio Temer, com os avanços dos testemunhos.

Publicidade
Publicidade

"Meu governo nunca iria interferir no inquérito que está nas mãos da polícia, do Ministério Público e Judiciário", disse Temer na declaração aos jornalistas. "O governo não vai proteger ninguém."

Na semana passada, dois partidos de oposição obtiveram liminares ordenando a remoção de Moreira Franco do gabinete. Quanto os que foram 'derrubados' pelos juízes federais na sexta-feira, o STF esta semana deve tomar uma decisão final. Como ministro, Moreira Franco só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal, onde um julgamento pode se arrastar por meses ou anos.

Governo Vulnerável

A negação de Temer destaca ainda mais a vulnerabilidade do governo brasileiro com as constantes acusações de corrupção, nesse momento delicado do país, onde é preciso restaurar a confiança e reviver a economia, que vive a pior recessão da história.

Publicidade

O presidente disse que uma mera citação em uma delação não é suficiente para demitir um ministro. Esse escândalo pode enfraquecer ainda mais a coalizão de Temer no Congresso. Por enquanto, ele goza de uma maioria que vai apoiar as suas propostas para medidas de austeridade impopulares que reduzem os benefícios de pensão e direitos trabalhistas.