José Sergio Gabrielli, ex-presidente da Petrobrás, deu depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, nesta segunda-feira (13). Gabrielli é testemunha de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em relação a ação penal da Operação Lava Jato sobre o caso do triplex, em Guarujá.

Durante o depoimento, Moro fez várias perguntas ao ex-presidente da Petrobrás, que em certos momentos, aparentava nervosismo e gaguejava um pouco. Num dos questionamentos, Moro quis saber se Gabrielli sabia do motivo da substituição de Nestor Cerveró por Jorge Zelada na diretoria internacional da estatal petrolífera. A testemunha disse que foi uma decisão do Conselho Administrativo, mas não sabia o motivo dessa troca.

Publicidade
Publicidade

Moro insistiu na pergunta: "Mas se o senhor participava do Conselho Administrativo, por que não sabe informar sobre essa decisão?. Gabrielli respondeu gaguejando que houve apenas uma solicitação dos representantes do governo. Segundo o ex-presidente da estatal, o ex-ministro Guido Mantega foi o responsável pela solicitação da troca da diretoria.

Advogados interrompem

O juiz Sérgio Moro continuou a questionar sobre o motivo da mudança na diretoria. Nesse momento, os advogados de #Lula interrompem Moro dizendo que há limites para as perguntas. "As suas perguntas são de um inquisidor e não de um juiz", ressalta o advogado Cristiano Zanin Martins.

O juiz pede respeito aos advogados e rebate: "Eu ouvi pacientemente as perguntas da defesa e do Ministério Público, agora estou fazendo as minhas perguntas. Peço que os senhores respeitem o juízo", disse Moro.

Publicidade

Veja o vídeo:

Depoimento

José Sérgio Gabrielli também teve que dar explicações sobre a construção da Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. O ex-presidente da estatal disse que nunca teve diálogos com Lula sobre recursos escusos, apenas conversavam sobre a importância da Petrobrás para o Brasil.

Segundo Gabrielli, nunca ele ficou sabendo sobre possíveis desvios dentro da estatal. Sobre Nestor Cerveró, Gabrielli disse que ele cumpriu as regras para expandir as atividades para o exterior. "Era apenas isso que eu via nele", disse a testemunha. #SérgioMoro #Petrobras