Na noite desta quarta-feira (01), foi confirmada a morte cerebral de Marisa Letícia Lula da Silva. A informação foi dada pelo Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, através do Dr. Roberto Kalil. A ex-primeira-dama do Brasil, Marisa Letícia, estava internada desde o dia 24 de janeiro de #2017, após sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico, que foi provocado pelo rompimento interno de um aneurisma cerebral.

Um amigo da família teria informado que, antes da morte cerebral, Marisa teve um aumento no edema cerebral e na pressão intracraniana decorrente do derrame hemorrágico.

A equipe médica que tratava do estado clínico da ex-primeira-dama estava animada com alguns sinais de melhora em seu quadro, no começo da tarde, mas durante o dia ela teve várias ocorrências de vasoespasmos (quando a artéria do paciente se fecha e acaba impedindo o fluxo de sangue no cérebro).

Publicidade
Publicidade

Jornalistas como Sônia Abrão postaram, durante essa madrugada de quinta-feira (02), a informação da morte cerebral em suas redes sociais e causaram comoção e mensagens de apoio aos familiares nos comentários:O

Ex-presidente Lula ainda não se manisfestou em suas redes sociais

Marisa Letícia Lula da Silva, de 66 anos, nasceu em São Bernardo do Campo no ano de 1950, na região metropolitana de São Paulo. Ela começou a trabalhar aos 9 anos de idade, que foi quando teve seu primeiro emprego como babá, após, trabalhou em uma grande fábrica de chocolates chamada Dulcora, onde continuou trabalhando até os 21 anos de idade. Seu primeiro casamento foi com o taxista Marcos Cláudio da Silva, com ele Marisa teve seu primeiro filho, ele nunca conheceu o pai: Marcos Cláudio foi assassinado seis meses após o casamento.

Publicidade

No ano de 1973, a ex-primeira-dama Marisa Letícia conheceu Luiz Inácio Lula da Silva dentro de um Sindicato dos Metalúrgicos e casou-se com ele apenas 7 meses depois de conhecê-lo. Durante essa jornada de mais de 40 anos juntos, eles tiveram apenas três filhos: Fábio Luís, que nasceu no ano de 1975, Sandro Luís (de 1979), e Luís Cláudio (de 1985). #Luto