Uma vereadora da Câmara Municipal de Salvador, na Bahia, está dando o que falar. Ela defende uma ideia que é alvo de críticas de muitos: um projeto de lei que cria o chamado "Hotel Solidário". A medida ajudaria as famílias dos presos a ficarem hospedadas nas regiões de presídios sem pagar nada. Tudo seria, é claro, bancado pelos cidadãos. Quem usasse o hotel pagaria a chamada taxa solidária, que não poderia ultrapassar 5% do salário mínimo vigente. A vereadora que tenta fazer passar essa ação é Rogéria Santos, do PRB. Na opinião dela, todos os parentes de detentos que morassem fora da região metropolitana de Salvador teriam o novo direito. O caso foi publicado por um site de notícia local, o 'Bahia.ba'.

Publicidade
Publicidade

O projeto apresentado pela republicana à Câmara estabelece que os presídios tenham hotéis construídos em suas proximidades. Quem cuidaria da administração dos hotéis seria a Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps). Atualmente, quem está à frente dessa secretaria é "Tia" Eron, colega de partido da republicana. Caso a ideia passe pela Câmara, cada hóspede pagaria hoje menos de R$ 50 para passar a noite no 'Hotel Solidário'. Um hotel da região não custa menos do que três vezes esse valor. O pagamento deve ser sempre efetuado quando o hóspede entrar na unidade, evitando calotes ou confusões.

A vereadora diz que os familiares dos presos passam por percalços muito difíceis e que a sociedade entende muito bem esse problema. O projeto aparece menos de um mês após diversos presídios brasileiros registrarem rebeliões, algumas delas com dezenas de assassinatos efetuados entre os próprios detentos.

Publicidade

O 'Hotel Solidário' seria uma forma de evitar, segundo a vereadora, que os familiares dos criminosos sejam vítimas de assaltos e até de assassinatos. Ela diz que essas pessoas enfrentam condições cruéis para conseguirem visitar os seus parentes, pois não tem condições financeiras de pagarem um hotel. "São centenas de homens, mulheres e crianças que enfrentam o frio cruel do chão, agasalhados com cobertores e edredons”, diz a vereadora no polêmico texto. #´lei #Crime #Política