Cada vez fica mais claro para todos, que o sistema prisional ou carcerário brasileiro está infinitamente longe de servir como instrumento da Justiça no que diz respeito ao real pagamento das penas dos acusados, ou de servir como uma alternativa sistêmica da re-introdução dos apenados na sociedade. Enfim, as cadeias e prisões deste imenso país chamado Brasil, em regra geral, não têm tais funcionalidades ativas, pelo menos para os presos políticos e por prática de #Corrupção, nas inúmeras operações da PF (Polícia Federal).

Um exemplo explícito e triste disto, acabou de acontecer nos últimos dias, quando uma agente penitenciária específica foi supostamente transferida à revelia da unidade prisional na qual trabalhava, simplesmente por se dirigir à corrupta e prevaricadora Adriana Ancelmo como "detenta" e ter solicitado que a presidiária ficasse com as mãos para trás.

Ancelmo é mulher do ex-governador Sérgio Cabral, que contribuiu ativamente para implodir a situação econômica do Estado do Rio de Janeiro de modo amoral, levando literalmente a óbito, mesmo que de forma indireta, muitos dos habitantes cariocas e fluminenses.

Publicidade
Publicidade

Vale frisar que Cabral está até hoje filiado aos quadros políticos do PMDB, o mesmo partido político do presidente Michel Temer; sendo que, como por ironia, Sérgio também se encontra atrás das grades por corrupção ativa, recebimento de propina e lavagem de dinheiro.

A denúncia do que aconteceu com a agente penitenciária foi feita por um colega que atuava no mesmo local da primeira pessoa, ou seja, a Administração Penitenciária do Estado do Rio, o qual foi ouvido em segredo pela rádio BandNews FM.

A situação é tão vergonhosa e ridícula para a diretoria e representantes oficiais do presídio Joaquim Ferreira de Souza (local em que a famigerada Adriana se encontra presa), que o mesmo denunciante falou com todas as letras, que eles, dos mais altos cargos, possuem um medo mórbido da esposa de Sérgio Cabral, #Adriana Ancelmo.

Publicidade

A ex-primeira dama do Rio se encontra aprisionada desde o fim do ano de 2016, já que o escritório de advocacia de propriedade dela foi responsável, entre outros delitos gravíssimos, por “esquentar” o dinheiro de propinas recebidas por seu esposo. Pouquíssimos dias atrás, os advogados da ré condenada buscaram alterar a prisão preventiva dela para a modalidade de prisão domiciliar; entretanto, a decisão teve tempo hábil de ser revogada judicialmente.

Diante do exposto acima, será que as instituições que deveriam representar e defender o povo, realmente acabaram no Rio de Janeiro ou mesmo em todo o Brasil?! #Sergio Cabral