Nesta terça-feira (14), o prédio da 10° Vara da #Justiça Federal de Brasília amanheceu com várias pichações de apoio ao ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Os "baderneiros" quiseram impor ao povo a chegada ilustre de um acusado de corrupção em grande escala. Nos muros da região, várias palavras escritas de forma errada mostravam o amor dos petistas simpatizantes de Lula. "Lula é nóis, esperança", frase escrita em um dos muros. Em frente ao prédio da Justiça Federal picharam a palavra Lula.

Publicidade

Não se sabe ainda qual o sentido de pichar nos muros o carinho pelo ex-presidente, se isso não adianta nada, já que a Justiça será correta em condenar ou absolver o ex-presidente.

Publicidade

Lula chegou por volta das 10h para prestar depoimento ao juiz Ricardo Leite. O petista terá que dar explicações sobre uma suposta tentativa de "comprar" o silêncio do ex-diretor da Petrobrás, Nestor Cerveró. Os investigadores denunciaram Lula por possível obstrução à Operação Lava Jato.

Chegada do ex-presidente

A chegada de Lula aconteceu de forma tranquila. Cerca de 25 manifestantes estavam ansiosos aguardando o carro que trazia o petista. Quando Lula chegou alguns gritos de apoio foram ouvidos, como por exemplo: "Lula guerreiro do povo brasileiro". A via de acesso ao prédio foi interditada pela Polícia Militar para evitar tumulto e possíveis confusões..

Publicidade

Lula é um dos réus na ação penal que investiga uma tentativa de evitar que Cerveró fizesse delação premiada.

Depoimentos

Além de Lula, outros acusados farão depoimento à Justiça. O ex-senador Delcídio do Amaral, o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira, André Esteves, sócio da BTG Pactual, Edson Ribeiro, advogado e o amigo do petista, José Carlos Bumlai e seu filho, Maurício Bumlai. Todos eles são suspeitos de tentar "atrapalhar" uma delação de Cerveró sobre o esquema de corrupção que assolou a Petrobrás e o povo brasileiro.

Lula dará explicações nesta terça e os outros réus estão marcados para sexta (17).

O ex-presidente iria dar depoimento em fevereiro, mas o juiz adiou a pedido da defesa dele, devido a morte de sua esposa dona Marisa Letícia. #Petrobras