O deputado Jair Messias Bolsonaro, defendido por muitos de seus seguidores por não ter seu nome envolvido oficialmente em nenhum escândalo de #Corrupção até o momento, terá que se explicar.

No site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), é possível ver o repasse de uma grande quantia em dinheiro para financiar a campanha do parlamentar. A doação é originada da empresa JBS - Friboi, magnata da carne envolvida em denúncias de corrupção e um dos alvos principais da operação Carne Fraca deflagrada pela Polícia Federal, que que veio a público na última semana. A operação investiga a venda de carne estragada e envolve grandes marcas como Sadia, Seara, Perdigão, Batavo, entre outras.

O site do TSE disponibiliza ao público todas as doações recebidas pelos parlamentares durante a campanha. É uma forma de tornar públicas as informações sobre quem e quais empresas financiam as campanhas dos políticos, e podem ser acessadas por qualquer pessoa. Na página do deputado em questão, há um repasse originado da JBS no valor de 200 mil reais. A doação é legal e pública, esse não é o problema.

O que ocorre é que Bolsonaro utilizou suas redes sociais para disseminar um vídeo em que afirma que recebeu a quantia da empresa JBS, mas que teria devolvido o valor porque a empresa estaria sendo investigada pela Polícia Federal. Na prática, não foi bem isso que aconteceu. O deputado utilizou de uma manobra para receber o dinheiro da JBS de forma indireta, sem que seu nome ficasse envolvido no esquema.

A manobra consistiu em devolver o dinheiro para o partido ao qual pertence, o PP (Partido Progressista) e logo depois o partido repassaria o valor para Bolsonaro como Fundo Partidário. E foi exatamente assim que aconteceu. Ou seja, o mesmo dinheiro, só que com a origem disfarçada. O que demonstra que o parlamentar não só recebeu dinheiro da, já investigada pela PF, JBS, como também mentiu para seus seguidores dizendo que tinha recusado o valor.

Toda movimentação das quantias recebidas estão disponíveis na página específica de Jair Bolsonaro. #Jair Bolsonaro #Política