Ao completar três anos na sexta-feira, dia 17, a maior operação de combate à corrupção do país, a Lava Jato, chegará a um momento crucial. O momento em que todo o esforço dos procuradores, da Polícia Federal e do juiz #Sergio Moro terá valido a pena. É a revelação dos nomes de todos os políticos corruptos envolvidos nos crimes de recebimento de propinas e lavagem de dinheiro, com desvios bilionários de uma das maiores estatais do país. Segundo o procurador Deltan Dallagnol, a operação deu certo somente por causa da Lei de Colaboração Premiada, em que os réus se convenceram de que seriam severamente punidos e passaram a colaborar com a Justiça.

Publicidade
Publicidade

Momento crucial da Lava Jato

Segundo as palavras do procurador, a #Lava Jato não pode parar justo agora que chegou aos poderosos da política brasileira. Diz Dallagnol à revista Isto É, que se a Lava Jato parar agora, dará a impressão à sociedade de que a corrupção e a violação das leis, principalmente por poderosos, vale a pena. A mensagem que a Lava Jato quer deixar é justamente o contrário, é a de que a corrupção sistêmica não é o destino do Brasil, segundo muitas pessoas acreditam.

O quase boicote da operação

No começo da Operação Lava Jato, em 19 de maio de 2014, dois meses após ter começado, o ministro Teori Zavascki determinou a soltura de todos os presos na Operação. Moro ficou revoltado com essa decisão, e, como ele, os 11 procuradores da República e também toda a Polícia Federal, responsáveis pela Lava Jato.

Publicidade

No dia seguinte, Teori voltou atrás e manteve as prisões.

Entretanto, se o ministro não tivesse voltado atrás, a Lava Jato teria chegado a seu fim, logo após começar. Exatamente igual a dezenas de outras operações que foram anuladas, por interpretações equivocadas da lei ou no mínimo duvidosas. Teori entendeu, a partir daí, a importância dessa operação e passou a dar o maior apoio ao juiz Sérgio Moro, sendo um dos dos seus melhores aliados.

Determinação quase concluída

A maior operação já feita no Brasil para desvendar os crimes de colarinho branco chegou a um dos momentos mais importantes de sua existência. Quando os nomes de todos os políticos envolvidos no recebimento de propinas e lavagem de dinheiro devem ser revelados e punidos. Mais de 100 pessoas foram condenadas a mais de 1300 anos de prisão por crimes como corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. E muitos mais ainda deverão ser punidos, depois da delação dos executivos da Odebrecht. A sociedade espera ansiosa pelo desfecho de uma das maiores delações de toda a Operação, a chamada" Delação do Fim do Mundo". #Deltan Dallagnol