O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio #cabral, vive acumulando problemas no presídio de Bangu, onde está preso, desde novembro do ano passado, após denúncias oriundas da Operação Lava Jato. Primeiro ele discutiu com seu ex-assessor sobre a falta de acordo em combinar uma delação que não prejudicasse ninguém. Depois, o ex-governador chegou a entrar em briga corporal com um de seus operadores. Um dos mais novos casos é o pedido de sua esposa Adriana Ancelmo, também presa, em exigir que ele fique em Bangu e não seja transferido para outra unidade. Segundo ela, com a transferência de seu marido, ela poderia perder o respeito dentro da #Prisão.

Publicidade
Publicidade

Agora, o ex-governador está enfrentando um outro problema. Devido o intenso calor no presídio, o seu companheiro de cela, Capixaba, ex-prefeito de Mangaratiba, criou o costume de tomar banho às 5h, ou seja, bem cedo. Nesse horário, Cabral ainda está sonhando com dias melhores em sua vida e é acordado pelo barulho que o preso faz. Cabral chegou a fazer várias reclamações. A vida está sendo difícil para ele, que vive perdendo o sono.

Propina

O ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, Rogério Nora de Sá, confirmou em sua delação o pagamento de propina ao ex-governador Sérgio Cabral. O repasse do dinheiro foi feito através de reuniões na casa de Cabral. Na época, ele pediu R$ 350 mil de "contribuição mensal" para que a empresa fosse beneficiada nos contratos com o estado do Rio.

Publicidade

As declarações de Sá foram feitas, nesta quinta-feira (16), à 7° Vara Criminal Federal do Rio. De acordo com ele, o peemedebista indicou o seu secretário de governo, Wilson Carlos, para distribuir as obras para as empresas que participavam do esquema.

Sá confirmou que a Andrade Gutierrez ficou beneficiada com as obras do Arco Metropolitano e o PAC das favelas.

Defesa

Os advogados de Sérgio Cabral foram procurados, mas não quiseram se pronunciar sobre o caso. A empreiteira Andrade Gutierrez afirmou que irá colaborar com as investigações e ajudará no que for possível. #Corrupção