Rui Costa Pimenta, presidente nacional do Partido da Causa Operária (#PCO), resolveu se mexer para evitar a possível prisão do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Através das redes sociais, Pimenta critica a defesa do petista pela falta de mobilização em não fazer nenhuma campanha em prol do ex-presidente. "A defesa do Lula é muito fraca, eles não se mexem. Vamos nós fazer alguma coisa", ressalta Pimenta.

Em suas páginas nas redes sociais o presidente do PCO quer que militantes e ativistas façam um "ato mostro" em #Curitiba. "Vamos ocupar Curitiba no dia 1° de maio e impedir à força qualquer ação que seja para uma eventual prisão de Lula", fala o líder do PCO.

Publicidade
Publicidade

O ex-presidente estará dando depoimento ao juiz Sérgio Moro no dia 03 de maio. O juiz quer explicações do petista sobre a reforma do triplex, no Guarujá, litoral de São Paulo e sobre a aquisição de um sítio em Atibaia. De acordo com as denúncias, tudo foi feito com dinheiro dos cofres públicos.

Pedido a CUT

Rui Costa Pimenta quer que a CUT transfira as manifestações do Dia do Trabalho para Curitiba. "No mínimo 100 mil guarda-costas vão impedir que o vigarista desse juiz prenda o nosso líder", comenta Pimenta.

O presidente do PCO lança a ordem para todos convocando a não baixarem a cabeça para um juiz, segundo ele, vigarista, que quer prender o principal dirigente popular do Brasil. Ele também chamou os militantes para forçarem Moro a soltar Delúbio Soares, José Dirceu e João Vaccari, todos presos pela Operação Lava Jato e que cometeram graves crimes de corrupção com dinheiro público.

Publicidade

Proteção a Lula

Mesmo ignorando o artigo 286 do Código Penal que prevê detenção ou multa para quem incitar a violência, o presidente do PCO continuou divulgando o que os militantes devem fazer contra a Justiça. Ele está desconfiado de que Moro irá aproveitar a ida de Lula a Curitiba para prendê-lo e quer proteção total ao ex-presidente.

"Vamos organizar caravanas por todo o Brasil. Realizaremos um ato mostro. Cercaremos o Lula e não deixaremos que ninguém chegue perto dele", orienta Pimenta.