Segundo informações do site do jornal O Globo, o prefeito do #Rio de Janeiro, Marcelo #Crivella (PRB), está com planos de erguer um muro para proteger o Palácio da Cidade, que fica localizado em Botafogo, no Morro Dona Marta. O muro teria um orçamento de R$ 1,6 milhão e seria para proteger o Palácio, da favela. De acordo com Lauro Jardim, colunista do jornal O Globo, a primeira-dama Sylvia Jane está assustada e vive momentos de apreensão por estar residindo próximo à favela, que fica nos fundos do Palácio..

Publicidade

Publicidade

Ao ser divulgada a notícia, alguns eleitores de Crivella se manifestaram em sua página no Facebook, reprovando a possível atitude do prefeito, declarando que seria um gasto totalmente desnecessário e dizendo que esse dinheiro poderia ser muito bem melhor investido na saúde do município. Sobre tais comentários, o prefeito não se manifestou e seguiu postando em sua página todo seu trabalho já realizado no município e destacando a recente visita que fez, neste domingo (19), à paciente vítima do acidente com o carro alegórico na Avenida Marquês de Sapucaí. A página de Crivella no Facebook conta com mais de 2 milhões de seguidores.

Outra ocasião

Em outra ocasião, mais precisamente no dia 21 de novembro de 2016, Marcelo Crivella defendeu que o Rio fosse totalmente cercado por muros para que não entrassem drogas e armas na cidade. Estamos vivendo uma profunda crise moral”, disse ele, sobre os recentes episódios de violência na cidade. “Deveria ser murada, como Jerusalém”, afirmou Crivella, horas depois de voltar de uma viagem que fez a Israel..

Publicidade

Tudo ocorreu durante um encontro com evangélicos e líderes judaicos. O evento foi organizado pela vereadora Teresa Bergher (PSDB) e realizado dentro da Catedral Mundial da Fé, em Del Castilho, onde fica o maior templo da Igreja Universal no Rio de Janeiro. Na oportunidade, Crivella conversou com Natan Sharansky, um dos principais líderes judaicos do mundo. Sharansky foi preso e mandado para os campos de trabalhos forçados da Sibéria durante o regime soviético e hoje é considerado um defensor da democracia. #Política