Em seu depoimento prestado ao Superior Tribunal Eleitoral (TSE) na última quinta-feira, dia 2, o ex-presidente da #Odebrecht Infraestrutura, Benedito Junior, afirmou que seu acordo de delação premiada envolve 60 anexos com revelações sobre doações feitas pela empresa à campanhas estaduais pelo Brasil.

Presidente do PSDB, o senador Aécio Neves foi apontado por Benedito Junior como responsável por intermediar o pagamento de R$ 6 milhões destinados às campanhas dos tucanos Pimenta Veiga, candidato derrotado ao governo de Minas Gerais em 2014; e de Antonio Anastasia, candidato eleito ao senado pelo mesmo estado. Aécio também teria intermediado a favor de doações da Odebrecht à campanha de Dimas Fabiano, do PP, eleito deputado federal por Minas Gerais.

Publicidade
Publicidade

Apesar de ainda não ter revelado outros nomes de partidos e políticos envolvidos, especula-se que os anexos da delação de Benedito Junior apontem contribuições da Odebrecht para diversas campanhas políticas de candidatos de todas as esferas. Segundo o depoimento do ex-executivo, a Odebrecht possuía um esquema burocrático definido para realizar os repasses através do Setor de Operações Estruturadas, chamado de “departamento de propina”.

Caso comprovadas, as denúncias podem revelar a enorme influência que a empreiteira exercia nas mais diversas esferas políticas do Brasil. #Lava Jato #Corrupção