Um dos ex-funcionários da empreiteira Odebrecht que firmaram um acordo de colaboração premiada junto ao Ministério Público Federal e à Procuradoria-geral da República, disse em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta segunda-feira, uma expressão "inusitada" para se referir o departamento de propinas da construtora. O ex-executivo Hilberto Mascarenhas detalhou algumas particularidades em se tratando de repasses de dinheiro público angariados de forma ilícita pelo Departamento de Obras Estruturadas da #Odebrecht. O ex-diretor da empresa demonstrou bastante desenvoltura em uma "clima descontraído", durante sua audiência.

Departamento de propina

O auge do depoimento de Hilberto Mascarenhas, ocorreu quando ele relatou, através de uma expressão inusitada, como se referia ao departamento de "propinas" da empreiteira.

Publicidade
Publicidade

Segundo Mascarenhas, já em um momento de descontração e demonstrando estar bem humorado, afirmou que "lá é o setor trepa moleque", ao se referir ao departamento em que ocorria o esquema de distribuição de propinas. Segundo relatos, a expressão utilizada pelo ex-executivo, levou parte das pessoas presentes durante a audiência, às gargalhadas. O depoimento estava sendo dado ao ministro relator das contas eleitorais da chapa Dilma-Temer, no TSE, Herman Benjamin.

Em qualquer dicionário da língua portuguesa, pode-se descrever a expressão "trepa moleque", relatada pelo delator Mascarenhas, como nome popular de um "inseto". As revelações de Hilberto Mascarenhas não pararam por aí. Ele se gabou de ter sido quem criou o codinome "Feira", atribuído ao ex-publicitário das campanhas eleitorais do PT, o baiano João Santana, com referência à cidade da Bahia que leva o nome do marqueteiro, Feira de Santana.

Publicidade

Durante alguns momentos em que corria o depoimento de Mascarenhas, o mesmo apresentou algum desconforto, em razão da ocorrência de câimbras, tendo que ficar em pé por alguns minutos. Uma das principais confirmações durante a oitiva, se trata também do codinome pelo qual era chamado o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo Hilberto Mascarenhas, Lula era chamado de "amigo", devido à sua proximidade com o pai de Marcelo Odebrecht, o "doutor Emílio", segundo ressaltou o delator. #Lava Jato #Corrupção