Quarta-feira de Cinzas, o nome já diz tudo, você está completamente acabado pelas recorrentes ressacas de #Carnaval, mas precisou entrar no seu serviço ao meio-dia, padrão de praticamente todas as empresas brasileiras em se tratando de escala de trabalho.

Mas se você fosse um deputado federal ou um senador da República poderia ter enforcado a semana e tirado mais 2 dias de folga, afinal os políticos não trabalham mesmo de sexta=feira.

Na sessão do Plenário da Câmara dos #deputados desta quinta-feira (2), apenas sete deputados dos 513 estavam presentes. Isso mesmo, sete de 513, um percentual vexatório de apenas 0,36% de quórum.

Publicidade
Publicidade

Claro, que nada foi votado.

Última sessão foi no dia 22

Por falar em votação, a última sessão da Câmara dos Deputados foi no longínquo dia 22 de fevereiro, ou seja, há nove dias, e apesar da situação politica do Brasil ser desastrosa, os políticos continuam em ritmo de folia.

Enquanto apenas sete deputados corajosos deram as caras no plenário, os #senadores foram mais organizados nesse sentido e emendaram oficialmente a semana toda porque a casa está em reformas e seria impossível trabalhar no plenário enquanto operários passavam para lá e para cá entre os senadores.

Salários é o mesmo

Vale lembrar que o Brasil tem uma política de cargos e salários para parlamentares que dá inveja a outros países. Cada deputado federal e cada senador recebe, só de salários, R$ 33,7 mil mensais, fora as benesses que os cargos lhes proporcionam, como apartamento funcional ou auxílio-moradia de R$ 4,2 mil por mês, plano de saúde, cotas para passagens aéreas, gastos com telefone, encargos com funcionários e gabinete, despesas médicas e odontológicas, gastos ilimitados com telefones celulares, dentre outros benefícios que nossos políticos possuem.

Publicidade

A pergunta que não quer calar é esta: você se lembra em quem votou para senador e para deputado federal? Então, trate de escolher bem seu candidato porque o Brasil precisa de gente muito honesta.

No ranking mundial de corrupção divulgado em janeiro pela Transparência Internacional, o Brasil está no vergonhoso 79º lugar entre 176 países.