A ex-presidente da República, Dilma Vana Rousseff, resolveu tentar explicar à imprensa, durante uma entrevista, o que poderia ter causado a sua destituição do cargo, o que culminou em um processo de #Impeachment definitivo, avalizado pelo Congresso Nacional sob a condução à época, do presidente da mais alta Corte do país; o Supremo Tribunal Federal (STF). Após alavancar medidas tomadas durante a sua gestão a frente da presidência do país, a ex-mandatária foi questionada em Genebra, na Suíça, se ela se encontrava arrependida de ter tomado alguma decisão, ou mesmo, se era capaz de assumir seus erros, em se tratando do período em que era presidente do Brasil.

Publicidade
Publicidade

O 'grande erro'

#Dilma Rousseff ao discursar durante seminários organizados na Suíça, passou a revelar o que, segundo a opinião dela, teria sido o grande erro da sua administração pública, que culminou num processo de impeachment em decorrência da prática de crime de responsabilidade. Dilma afirmou que "errou ao promover uma grande desoneração" e concluiu que "acreditava que, se ocorresse a diminuição dos impostos, haveria um aumento de investimentos", disse e desabafou: "Eu diminuí. Eu me arrependo disso. Ao invés de investir, eles aumentaram a margem de lucro", se defendeu a presidente cassada.

Entretanto, a ex-presidente afirmou que o motivo da inflação ter se elevado a níveis muito altos em seu #Governo, se referia à crise de desabastecimento de água em São Paulo, durante período de seca nos reservatórios.

Publicidade

Dilma Rousseff negou que tivesse realizado uma verdadeira "gastança" sem controle, durante a sua administração federal.

Transposição do rio São Francisco

A presidente cassada afirmou na Suíça, que não havia propinas em sua campanha eleitoral à presidência da República, rebatendo as afirmações apresentadas no processo de colaboração premiada do herdeiro da Construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht. Dilma criticou ainda o presidente da República, Michel Temer, num claro gesto de descontentamento por ele ter angariado apoios na região Nordeste do Brasil, com a inauguração de obras que se referem à transposição das águas do rio São Francisco, o que poderá levar água, um bem fundamental e tão precioso a milhares de pessoas em regiões que são constantemente assoladas pela grave seca, num ciclo de sofrimento que se verifica há décadas em todos os estados nordestinos.