O prefeito de São Paulo, João Doria, muito bem avaliado pela maioria da população paulistana, foi entrevistado nesta segunda-feira à noite (13), durante apresentação do jornal SBT Brasil, do Sistema Brasileiro de Televisão. Durante a entrevista, o prefeito defendeu que sejam realizadas prévias no PSDB, para que se possa escolher tanto o candidato ao governo do estado de São Paulo, quanto também para o candidato ao Palácio do Planalto. Entretanto, o prefeito da maior cidade do país, sinalizou que seu candidato é o atual governador paulista, Geraldo Alckmin: "Não é somente devido termos uma amizade de mais de 36 anos e não porque ele me apoiou para a Prefeitura de São Paulo, mas porque ele é bom, é um homem competente, sério, honesto.

Publicidade
Publicidade

Além disso, Alckmin é um bom gestor, um quadro excepcional dentro do PSDB", afirmou o prefeito, rasgando elogios ao seu padrinho político.

Em relação às recentes investigações da Operação Lava-Jato e a corrupção que infelizmente, permeiam o cenário político brasileiro, o prefeito de São Paulo disse que é totalmente contrário a qualquer tentativa de anistia ao caixa dois. O tucano salientou, porém, que a questão tem que ser avaliada: "o formato atual nas campanhas eleitorais não funcionam", ressaltou o prefeito. Ele afirmou, entretanto, que com o avanço das investigações da Operação Lava-Jato e possíveis menções a políticos do PSDB e PMDB nos acordos de colaboração premiada "não é uma coincidência positiva e além disso, as atitudes de PT e PSDB são distintas, pois, a corrupção do PT foi a maior montagem de quadrilha na história política de todo o mundo", ressaltou.

Publicidade

Campanha presidencial

João Doria negou que tenha a intenção de disputar a presidência da República, porém, não descartou essa possibilidade, "Nada é irreversível, exceto a morte", ponderou o prefeito paulistano. Ele reafirmou sua intenção de ser um bom prefeito para São Paulo. O tucano também não descartou a possibilidade de vier a disputar o Palácio dos Bandeirantes, declarando que também "não exclui essa possibilidade". #Eleições 2018 #João Dória #Lava Jato