Nesta quinta-feira (30), o prefeito de #São Paulo, João #Doria(PSDB), sancionou o projeto de lei n° 271/2016, apresentado pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que prevê multa de 100% sobre os valores de impostos sonegados. O plano consiste em tomar mais de R$ 100 milhões dos pagadores de impostos de São Paulo. Como é visível, o socialismo fabiano do PSDB não deixa de agir pelas beiradas, visando as privatizações apenas como uma maneira de deixar a economia respirar por um curto prazo, uma vez que a agenda cultural e a taxação progressiva continua.

O projeto apenas foi aprovado após uma segunda votação na Câmara dos Vereadores, isso na 5ª sessão ordinária, no dia 21 de março, com um total de 42 votos a favor e somente 1 ao contrário.

Publicidade
Publicidade

O voto contra veio do vereador Eduardo Tuma (PSDB), que visava uma multa de 2% ao invés da absurdidade de 100%, prevista na nova lei. Entre os ditos “liberais”, Fernando Holiday (DEM) votou a favor do projeto, enquanto a vereadora Janaina Lima (NOVO) compareceu a sessão, entretanto, a mesma votou contra o projeto nas últimas duas sessões.

A recente lei também especifica “supressão ou redução de tributo”, a “falta de escrituração nos livros contábeis de pagamentos efetuados” e “a falta de emissão de nota fiscal na prestação de serviços” que estarão sujeitos a infração e multa.

Finalmente, o tucano está revelando sua política partidária.

Plano de Metas

Também, neste quinta-feira (30), o prefeito João Doria (PSDB) apresentou seu 'suposto' Plano de Metas, todavia, deixou de lado diversas coisas que havia prometido durante sua campanha eleitoral.

Publicidade

Um dos itens que mais gerou polêmica a respeito do plano, foi sobre os compromissos que o prefeito havia assumido na área da Educação. Doria havia prometido expandir o número de vagas nas creches em 100% durante as eleições, mas em seu plano, o mesmo disse que irá expandir em apenas 30%, ou seja, um terço do prometido.

Diante do ocorrido, o documento, composto de 50 metas, foi recebido pelos vereadores da Câmara Municipal ao som de vaias de manifestantes.