O prefeito de São Paulo, João #Doria, se mostrou surpreso e preocupado com o anúncio feito pelo presidente do Brasil Michel #Temer de que vai retirar servidores estaduais e municipais da Reforma da Previdência. Doria acredita que isso pode "empurrar" para os Estados e municípios os problemas de gastos e amenizar as coisas para o governo federal. "Isso nos preocupa muito, pois estamos em um momento de enxugar os gastos", comenta o tucano.

De acordo com o anúncio feito, ontem (21), pelo presidente, os servidores públicos estaduais e municipais ficarão de fora da proposta de #Reforma da Previdência, o que facilitaria a autonomia de Estados e municípios criarem estratégias para suas próprias reformas.

Publicidade
Publicidade

Temer foi apoiado pelo presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia que ressaltou que essa atitude facilita bastante a aprovação da Reforma e elimina quase 70% de contrários à medida.

O prefeito de São Paulo comentou que terá que ser feito um estudo para ver o que é melhor para resolver esse problema.

Termo de cooperação

As declarações de Doria foram dadas depois da assinatura entre a prefeitura de São Paulo e o governo do Estado de um termo de compromisso para a limpeza da represa de Guarapiranga. O governador Geraldo Alckmin disse que já era esperado essa ação de Temer.

Segundo o governador será feito uma análise aprofundada do possível impacto das contas do governo. O órgão SPPrev comentou que o governo de São Paulo paga benefícios a 311,7 mil aposentados. Desde 2013, os novos servidores já passaram a entrar automaticamente na opção de previdência complementar.

Publicidade

Ministro da Fazenda

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comentou, nesta terça-feira (21), que, se fosse possível, todos os brasileiros deveriam se aposentar aos 50 anos. Segundo o ministro, o problema é que alguém teria que pagar por isso, pois quem paga é a população brasileira.

"A Reforma da Previdência" é uma necessidade e não apenas uma medida imposta pelo governo. Temos que enfrentar isso", afirma o ministro.