Uma ação marketing do prefeito de São Paulo, João #Doria Jr., por doações viralizou nas redes sociais. O prefeito amanheceu, nesta terça-feira (28), inspirado a solucionar mais uma #Polêmica. A gigante #Amazon fez uma campanha que aborda ação da atual gestão de Dória, que não deixou por menos. Ele solicitou, ao invés de críticas, soluções, e o pedido caiu na graça de internautas.

A Amazon produziu um comercial que mostra a atual ação do prefeito contra a pichação, com slides nas paredes que foram pintadas de cinza, com frases famosas, trechos de poemas, para demonstrar que mesmo que apaguem as pichações de rua, a empresa oferece venda de livros digitais em seu portal.

Publicidade
Publicidade

A atitude da Amazon não caiu no gosto do paulistano, que na sua maioria aprova o fim das pichações.

Doria rebateu o comercial da Amazon sugerindo que, se a Amazon gosta tanto de São Paulo, que faça doações para as escolas com tablets, livros e cadernos, além de computadores para as bibliotecas e escolas públicas da cidade de São Paulo. O próprio prefeito faz doações do salário. Muito enfático, sugere tal atitude para trazer mais felicidade para a cidade de São Paulo bem como o reconhecimento da população.

Quem caiu nas graças desse pedido foi a concorrente Kabum, que declarou publicamente querer ajudar com os donativos e foi altamente apoiada nas redes sociais.

O tiro no pé da Amazon foi um tiro certeiro para as concorrentes.

Publicidade

Misturar política com publicidade hoje, requer feeling muito apurado para compreender o que a população realmente quer e o público que esse produto será ofertado. A rede de fast food Habib's, por exemplo, acertou em cheio nas campanhas de publicidade e marketing quando criaram a coxinha de mortadela numa época em que o Brasil pedia pelo impeachment da até então presidente Dilma Rousseff (PT).

O produto foi uma união dos apelidos criados para quem era pró-PT (mortadelas) e para o grupo contrário que apoiou o impeachment (coxinhas). A sacada teve tanto sucesso que até hoje continua a venda o produto.

As pessoas não estão mais interessadas nas críticas, nos problemas em si. Elas querem soluções, sugestões e, efetivamente, que quem quer ajudar, que ponha a mão na massa e trabalhe para resolver os problemas. O brasileiro cansou dos discursos, quer ver o trabalho gerando resultados.