O deputado Federal Jair #bolsonaro, possível candidato à Presidência do Brasil, em 2018, foi o entrevistado do Programa do #Ratinho, no quadro "Dois Dedos de Prosa". No começo da entrevista, o apresentador defendeu o deputado dizendo que muitas notícias falsas são faladas dele, para tentar "destruí-lo" na imprensa. "Parece que algumas pessoas sentem desejo de prejudica-lo", disse Ratinho.

Várias foram as perguntas feitas para Bolsonaro e ele respondeu com bastante convicção todas elas. Em certo momento, mais para o final da entrevista, Ratinho pediu para que o deputado definisse em uma palavra o significado de cada nome, de acordo com a opinião dele.

Publicidade
Publicidade

Quando o apresentador do SBT falou o nome de Lula, Bolsonaro definiu como "corrupto". Dilma, como "guerrilheir"a e João Figueiredo, "um grande homem". Sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Bolsonaro disse que era lamentável a posição política dele atual.

Questionado sobre o que achava de João Pedro Stédile, principal líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o deputado definiu o sindicalista como um "bandido".

Doria

Ratinho resolveu saber a opinião de Bolsonaro sobre o prefeito de São Paulo, João Doria. O deputado o definiu com a seguinte palavra: "Uma Esperança". Segundo o deputado, ele torce para que #Doria se afaste do partido, da parte política e continue mantendo-se como um homem preocupado em resolver os problemas que a população precisa.

Aproximadamente no minuto 19:08 é possível ver a opinião do deputado em relação ao prefeito de São Paulo.

Publicidade

Filho de Bolsonaro

Na manhã desta quinta-feira (16), o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do deputado Jair Bolsonaro, se envolveu em uma briga com um colega de partido. Ele estava indignado com o pastor da Assembleia de Deus, o vereador Otoni de Paula. O pastor criou abrigos homossexuais para pessoas que foram vítimas de agressões. Carlos disse que isso era uma coisa absurda. De acordo com ele a situação do país já está difícil e ainda tem que tolerar esse tipo de atitude de um vereador, ainda do mesmo partido.