Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio #cabral, possui vizinhas não muito sociáveis, no presídio de Bangu. Ela está próxima de uma mulher que matou seu ex-namorado e de uma advogada ligada à uma organização criminosa. Para quem vivia com seguranças e nos melhores lugares, ela deve estar passando apuros ao saber que não pode contar com a ajuda de ninguém e ainda tem que torcer para que não ocorra rebeliões, senão sua vida corre risco.

A mulher de Cabral já entrou com um pedido de habeas corpus ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo informações, ela pretende sair da cadeia para cuidar de seus filhos que estão sentindo muito a falta dela.

Publicidade
Publicidade

Em uma entrevista, o filho de Cabral, Marco Antonio Cabral, disse que seus irmãos estão tristes e vivem chamando a mãe. "Eu tento disfarçar e falo que logo ela estará de volta", disse o deputado federal.

O filho mais novo de Adriana está com problemas no colégio. Mesmo ainda não sofrendo bullying, ele anda muito chateado. Um laudo psicológico foi colocado no pedido de habeas corpus narrando as dificuldades das crianças. Resta saber se a Justiça vai acatar o pedido de soltura.

Delação

Uma delação de Adriana ou de Sérgio Cabral pode favorecer para que um deles deixe a #Prisão. Eles dois estão muito preocupados com as crianças, 10 e 14 anos. Mas para que a Justiça aceite uma negociação com eles, será necessário que eles forneçam informações preciosas, de grande importância para as investigações.

Publicidade

De acordo com pessoas próximas ao casal, Adriana poderia delatar membros do Judiciário envolvidos nos escândalos.

Reclamação

Alguns parlamentares que foram visitar Sérgio Cabral, no presídio, disseram que ele tem reclamado muito do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Luis Felipe Salomão. Ele estava muito nervoso com salomão, após o ministro negar o pedido feito pelos seus advogados para que anulasse a Operação Calicute.

Cabral disse que o ministro só está no cargo porque ele o indicou para o ex-presidente Lula. "Foi graças ao meu apoio que ele está lá", disse o ex-governador.