Nesta quarta-feira (15), o prefeito de São Paulo, João Doria, se revoltou com a atitude dos sindicatos de promoverem #Greve e transformarem a cidade de #São Paulo em um verdadeiro caos. #Doria acionou a prefeitura e a SPTrans para que peçam aos sindicatos que paguem as respectivas multas por paralisarem serviços de Metrô e ônibus na capital paulista.

Duas medidas judiciais determinaram a cobrança das multas. A paralisação ocorreu como uma forma de protesto contra o governo do presidente Michel Temer que quer fazer uma polêmica Reforma da Previdência.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que é favorável a SPTrans, exigiu o pagamento de R$ 300 mil de multa caso 100% da frota de ônibus não fosse às ruas. Já a Vara da Fazenda Pública que esta em acordo com a prefeitura determinou a multa de R$ 5 milhões por hora caso 70% da frota não estivesse em circulação, em São Paulo.

Revolta do prefeito

João Doria se mostrou indignado com a atitude dos sindicatos que não respeitaram a vida das pessoas. "Eles não podem estimular greves, ainda mais quando se tem uma decisão judicial em vigor", disse o prefeito. De acordo com o tucano, a prefeitura vai pedir a cobrança da multa dos sindicatos e isso será feito imediatamente. "A multa será de R$ 5 milhões. Sentença é para ser cumprida", afirmou o prefeito.

O Sindicato dos Motoristas disse que irá tomar providências judiciais contra essa ação do prefeito. Eles pretendem impedir a cobrança da multa, que para eles, é totalmente abusiva.

Respeito e dignidade

Doria avisou que não cortará o ponto dos grevistas e nem dos funcionários que faltaram ao trabalho, nesta terça, e pediu que os empresários façam o mesmo com seus funcionários que não puderam chegar ao trabalho.

Segundo o prefeito, a greve prejudicou milhões de paulistanos que não aderiram à paralisação. "A greve poderia ser feita em uma determinada localidade, pois é um protesto legítimo, porém, parar São Paulo já é considerado uma grande falta de respeito", disse o tucano.

Várias escolas foram prejudicadas. Doria ressaltou que não admitirá mais situações como essa.