O advogado José Roberto Batochio, que defende seu cliente, o ex-ministro Antonio Palocci, teve uma #discussão com o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação #Lava Jato. O advogado não queria que seu cliente respondesse ao juiz uma pergunta sobre como a testemunha havia entendido uma informação do processo. O fato aconteceu, nesta segunda feira (06), na audiência do processo da Operação Lava Jato.

Moro perguntou ao ex-ministro o que ele entendia sobre a frase que estava em seu e-mail: "Mencionou, em referência ao diretor Renato Duque, que tem compromisso com o partido dos Trabalhadores de ficar no cargo de diretor até resolver a contratação dessas 21 sondas".

Publicidade
Publicidade

Palocci se preparou para responder, mas foi "cortado" pelo seu advogado. Batochio falou que o juiz não pode pedir opinião sobre entendimentos das testemunhas e pediu para a pergunta ser impugnada.

Moro indeferiu o pedido

O juiz indeferiu o pedido feito pelo advogado e disse que como Palocci é destinatário do e-mail, ele poderia responder sem nenhum problema.

O advogado novamente interrompeu Moro dizendo que testemunha não pode achar nada. "A testemunha depõe sobre fatos e não opiniões, isso está escrito no Código de Processo Penal".

Educadamente Moro lembrou mais uma vez ao advogado que a questão dele foi indeferida e que ele deveria respeitar a autoridade. "A testemunha conhece o fato, já que é destinatária da mensagem", ressalta o juiz. Moro ainda disse que se Palocci não souber responder, basta ele avisar que não sabe.

Publicidade

Batochio mais uma vez interrompe a audiência e é repreendido por Sérgio Moro: "Doutor faça o concurso para juiz e assuma a condução da audiência, mas quem manda aqui, no momento, sou eu".

Moro continuou com a pergunta e Palocci foi obrigado a responder.

Opinião formada

O ex-ministro disse que não tinha uma opinião formada. Ele reiterou que não tinha nenhuma relação com Renato Duque e nem com o PT, para ter a certeza se o a pessoa iria continuar no cargo de diretor. "Eu apenas li o que estava escrito", disse o ex-ministro". #SérgioMoro