A Agência Nacional do Cinema (#ANCINE) está há 13 anos sendo emparelhada pelo partido #PCdoB. O incômodo com o presidente #Michel Temer começou após o atual presidente da Ancine, Manoel Rangel Neto, saber que seu terceiro mandato está chegando ao fim. Manoel também é ligado com o comitê central do PCdoB.

Uma forma que a Ancine encontrou para "protestar" sobre as mudanças previstas para ocorrer em maio deste ano, foi excluindo logotipos oficiais do governo, incluindo a do Ministério da Cultura. Durante as propagandas que são exibidas em salas de cinema de todo o Brasil, a Agência Nacional do Cinema simplesmente resolveu excluir tudo o que remeteria ao atual presidente Temer.

Procurada para se pronunciar sobre o caso, a agência não explicou o porquê do fato, mas tudo indica que seria uma forma de "pressão" para que a turma do PCdoB ainda continue conduzindo o cinema nacional.

Publicidade
Publicidade

Novo presidente da Ancine

Um dos nomes cogitados para assumir a presidência da Ancine, é Sérgio Sá Leitão, seu nome circula pela Casa Civil e até maio o Senado federal poderá sabatinar para analisar se Leitão é a pessoa apropriada para isso.

Leitão já foi ministro da Cultura no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ele cita que seus planos para a agência, que cuida regulamentação e fiscalização do cinema nacional, é fazer uma desburocratização e engatar mais recursos para o setor.

Pessoas ligadas ao setor do audiovisual já chegaram a acusar Leitão de ter favorecido produtoras durante o seu comando na "Rio Filme", porém outras avaliam que ele reergueu as produções do Rio de Janeiro, beneficiando a população.

Há opiniões divididas entre a atuação de Leitão nos cinemas, não há fatos claros que provem que ele é a pessoa certa para tomar o comando da Ancine.

Publicidade

Enquanto especulações surgem, o atual presidente da Ancine e todo o PCdoB, buscam uma forma de "irritar" o governo federal, para tentar manter o emprego na agência.

Usando dinheiro público, a "provocação" da agência surge efeito nos contribuintes brasileiros.