Oitenta e três políticos são citados nas delações de ex-executivos da empreiteira Odebrecht. A lista foi enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Os nomes não foram divulgados oficialmente, pois estão sob sigilo, mas em lista extraoficial, de acordo com G1 e Estadão, constam os nomes de pelo menos cinco ministros, seis senadores, dez governadores e dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT).

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) não está na lista e esse fato fez com que o jornalista Felipe Moura Brasil, de Veja, saísse em defesa do candidato à Presidência da República nas eleições de 2018.

No Twitter, onde é seguido por quase 500 mil pessoas, o jornalista defendeu Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

#Jair Bolsonaro, claro, não está na lista de Janot. Mas, no imaginário da imprensa, representa um risco maior para o Brasil que os que estão”, tuitou Moura Brasil.

Candidato

Jair Bolsonaro é um dos nomes mais comentados para a disputa presidencial do ano que vem. Nas pesquisas de intenção de votos, o deputado federal pelo Partido Social Cristão do Rio de Janeiro aparece bem cotado e com chances reais de ir ao segundo turno.

Outro ponto favorável ao parlamentar é que ele não tem o nome envolvido em escândalos de nenhuma natureza. Os adversários na corrida presidencial, mesmo que nenhum deles esteja condenado, já foram citados em delações da Operação Lava Jato.

Publicidade

Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, aparece na liderança nas pesquisas de intenção de votos, mas corre o risco de nem disputar as eleições, caso seja condenado em segunda instância em um dos cinco casos em que é réu. Além disso, o ex-presidente tem a maior rejeição, beirando os 45%, o que dificulta a disputa do segundo turno.

Eleições 2018

Além de Bolsonaro e Lula, os demais concorrentes devem ser Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e um candidato do PSDB, que pode ser Geraldo Alckmin, Aécio Neves ou até mesmo João Dória. Além deles, nomes de partidos nanicos também devem concorrer. #Eleições 2018