Uma decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal, está causando grande revolta ao permitir que a mulher do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, cumpra prisão domiciliar. Adriana Ancelmo está presa desde 6 de dezembro do ano passado, no mesmo Complexo Penitenciário de Gericinó onde se encontra preso também o seu marido, em Bangu, no Rio de Janeiro

Ambos foram detidos durante a Operação Calicute, que é uma das ações que compõem as investigações da Operação #Lava Jato, e são suspeitos de #Corrupção e lavagem de dinheiro de um esquema de propina montado por Sérgio Cabral. Adriana é acusada, por exemplo, de lavar o dinheiro desse esquema comprando joias de valores altíssimos.

Publicidade
Publicidade

Segundo uma das testemunhas que prestou depoimento nesta sexta feira (17), que trabalha em uma das joalherias frequentadas pelo casal, somente na joalheria H. Stern, entre meados de 2012 e 2015, eles fizeram compras que somavam um valor de R$ 6 milhões. Para os investigadores do caso, eles tinham objetivo claro de lavar o dinheiro sujo da corrupção.

Ainda não há data definida para soltura, pois o juiz Marcelo Bretas condicionou o direito a prisão domiciliar ao cumprimento de alguns pré-requisitos, como não ter linha telefônica e internet no imóvel onde ficará. Os investigadores estão averiguando o cumprimento dessas exigências para poder informar ao juiz e ele autorizar a transferência de Adriana Ancelmo para prisão domiciliar.

A decisão do juiz em alterar a medida cautelar para Adriana foi baseada no intuito de garantir o direito das crianças, filhos do casal, que são menores de idade, de pode conviver com pelo menos um deles, e que no momento estão privados do convívio com pai e mãe que se encontram presos.

Publicidade

Porém, essa justificativa do Juiz tem causado grande descontentamento e revolta nas redes sociais. Vários internautas alegam que a justificativa alegada não seria motivo plausível para que ela receba o benefício de cumprir prisão em domicilio, até mesmo por que isso não se aplica a outras presas comuns. #Sergio Cabral