Segundo informações da revista Veja, a empreiteira Odebrech teria pago pensão de cinco mil reais a José Ferreira da Silva, irmão do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, por um período de mais de 10 anos, atendendo a um pedido do próprio Lula.

As acusações constam na delação Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da #Odebrecht. Segundo Alencar, a mesada teria sido paga durante os anos de 2003 a 2010, em pleno governo Lula, e interrompida quando executivos da empreiteira foram presos.

Porém, a defesa de Lula como sempre nega todas as acusações e seu advogado Roberto Batochio afirmou que o ex-presidente jamais solicitou ou teve algum conhecimento de favorecimento a seus familiares, amigos ou partidários, e diz que, se realmente houve essa acusação durante a colaboração premiada de Alexandrino, ela é inverídica e vem se somar a outras inúmeras que vem sendo imputadas ao ex-presidente e seu círculo familiar.

O fato é que, caso seja confirmado que Frei Chico, como é conhecido o irmão de Lula, recebia dinheiro da empreiteira, esta acusação se somará às outras que são atribuídas a Lula e sua família. O ex-presidente já configura como réu em cinco ações por corrupção, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa.

Um sobrinho de uma ex-mulher de Lula, Taiguara Rodrigues, teria recebido R$ 30 milhões da empreiteira Odebrecht em uma troca de favores para que o ex-presidente atuasse em favor da empreiteira em Angola. Sendo que parte do valor teria sido destinado a gastos pessoais de Frei Chico.

Como sempre tem sido desde o início das investigações da Operação #Lava Jato, Luís Inácio Lula da Silva tem se colocado no papel de vítima de perseguição política, é categórico ao negar todas as denúncias que surgem sobre ele, seus familiares, amigos e partidários. Porém, foi indiciado em cinco ações e no dia 2 de maio se sentará à frente do juiz Sérgio Moro, o qual Lula denomina como seu perseguidor e algoz, para explicar seu envolvimento nos crimes dos quais está sendo acusado.