A ISTOÉ publicou, nesta quinta-feira (16), que Isa Penna, do PSOL, afirmou ter sido xingada de vagabunda e terrorista por Camilo Cristófaro, do PSB. Camilo também teria ameaçado com a frase: “não fique surpresa se tomar uns tapas na rua”.

Isso ocorreu no elevador privativo da Câmara Municipal, por volta das 19h30 do dia de ontem. A presidência da Câmara vai investigar para ver se houve quebra de decoro, uma vez que Isa Penna prestou queixa a policiais do local e estava munida de testemunha do fato.

Segundo Isa, Camilo estava acompanhado no elevador e com “cara esquisita” e teria respondido ao seu cumprimento de “tudo bem?” dizendo que estavam preparando o pedido de cassação dela.

Publicidade
Publicidade

A partir daí, Cristófaro teria ficado irado e a chamou de “vagabunda”, e dentre outras coisas disse para ela não ficar surpresa se tomasse uns tapas na rua.

Isa ainda diz que quando saíram do elevador, a agressão verbal continuou, chegando ao ponto de quase tornar-se física, por conta de um suposto empurrão do qual ela se desviou. As imagens do vídeo mostram isso, afirma Isa Penna, que vai registrar queixa na delegacia por agressão verbal e física.

Veja o vídeo da vereadora Isa Penna que já conta com 1.560 compartilhamentos até a edição dessa notícia.

A versão de Camilo Cristófaro

Procurado pela ISTOÉ, Camilo Cristófaro não quis falar muito sobre o assunto.

Apenas confirma que pegou o elevador com Isa, mas que as acusações dela são falsas e mentirosas.

Ele ainda afirma que não irá atrás de mentiras e que, se quiserem inventar notícias, que estejam à vontade.

Publicidade

“Não tenho posição nenhuma para passar sobre isso. Não vou dar palanque para quem tem 30 dias de mandato com 20 aninhos de idade querendo aparecer”, disse Camilo.

Machismo

A vereadora Sâmia Bomfim, líder da bancada do PSOL, afirmou que essa foi uma clara demonstração de machismo. Segundo ela, há muitos homens incomodados com a luta feminista.

Ela afirma ainda que a vinda de Isa, que está no cargo desde o dia 8 de março como suplente do vereador Toninho Véspoli, é um ganho.

O PSOL tenta aprovar a CPI sobre a violência contra a mulher em São Paulo. #Polêmica #machismo #Política