No centro do furação das denúncias de #Corrupção que pairam sobre a maioria da atual classe política do Brasil, o ex-presidente da empreiteira #Odebrecht, Marcelo Odebrecht, afirmou que era tratado como “o otário” e “o bobo da corte” do governo.

Em depoimento prestado à Justiça Eleitoral na última quarta-feira, dia 1º, Odebrecht disse que contribuia com campanhas e realizou obras que não desejava por influência de políticos do governo.

“Eu não era o dono do governo, eu era o otário do governo. Eu era o bobo da corte do governo”, disse o executivo, que admitiu ter doado verba em caixa dois para campanhas políticas em 2014.

Publicidade
Publicidade

No depoimento, Odebrecht disse que a prática é “natural”, e que sua empresa não foi a única a realizar pagamentos para conseguir apoio da classe política para seus projetos.

O ex-presidente da Odebrecht foi condenado a 19 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação #Lava Jato. A sentença foi revelada em março do ano passado, e desde então Marcelo Odebrecht aceitou um acordo de delação premiada para diminuir sua pena.