Aliados do #Presidente Michel Temer afirmam que ele já dá como certo o voto do ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, pela cassação da chapa na qual se elegeu como vice de Dilma Rousseff. Os mesmos auxiliares, porém, dizem que o prognóstico não define o fim do governo. Acham que é possível reverter o entendimento de Benjamin no plenário da corte e contam também com a eficácia de recursos endereçados ao Supremo Tribunal Federal.

O Palácio do Planalto passou boa parte da tarde desta quinta (9) mobilizado para montar um esquema de segurança que blindasse Michel #Temer de protestos durante sua visita a cidades do Nordeste nesta sexta-feira (10), nas quais inaugura obras da transposição do Rio São Francisco.

Publicidade
Publicidade

A equipe do presidente chegou a acionar o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), para que ele ajudasse a mapear a possibilidade de haver manifestações nos locais.

O governo federal vai lançar, nas próximas semanas, campanhas publicitárias apenas para o Nordeste, na tentativa de faturar os louros da entrega de trechos da transposição. A ideia é dizer que, quando Temer chegou ao poder, tudo estava parado e foi ele quem decidiu priorizar o empreendimento.

As falas de FHC, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e Eunício Oliveira em defesa da separação do “joio do trigo” foram vistas como um aperitivo do discurso que dirigentes de partidos vão usar para defender anistia ao caixa dois e a dinheiro de propina usado em campanhas.

A tese no Congresso é que não adianta mais tratar o caso com luva de pelica por medo da sociedade.

Publicidade

“Nós já apanhamos e continuaremos a apanhar, mas não vamos mais fazer isso calados”, disse um parlamentar.

Diversos integrantes do #PMDB entraram em campo para tentar acalmar os ânimos de Renan Calheiros (PMDB-AL), que voltou a fazer críticas a Temer.

Aliados tentaram um jantar entre o senador e o presidente nesta quarta (8), mas Renan disse que tinha um compromisso. A operação deu certo nesta quinta (9), os dois se encontraram à noite no Planalto.

Resta saber se Renan Calheiros irá apoiar o presidente. Não foi revelado o conteúdo a conversa entre os dois.