Em mais um dos desdobramentos da Lava Jato, dois agentes públicos foram presos nesta terça-feira, dia 14, após operação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal (MPF) que investiga irregularidades nos contratos de construção da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro.

Publicidade

Os acusados são Heitor Lopes de Sousa Júnior, diretor da RioTrilhos; e Luiz Carlos Velloso, subsecretário de Turismo do estado. Segundo as investigações, os dois agentes teriam recebido verba de propina oriunda das empreiteiras envolvidas na realização das obras..

Publicidade

De acordo com depoimentos ouvidos pelo Ministério Público, Heitor teria coletado dinheiro vivo nos canteiros de obras. Ele aparece como sócio em duas empresas envolvidas na construção da Linha 4 do metrô da capital fluminense.

Além das prisões, o MPF também solicitou o bloqueio de R$ 220 milhões ligados a sete pessoas e três empresas. O dinheiro teria sido acumulado de forma ilegal em esquemas de #Corrupção envolvendo a construção da obra pública e acordos ilegais entre os agentes públicos e empresas privadas. #Rio de Janeiro #Lava Jato