A situação econômica e política adversa na qual se encontra o Brasil parece não usufruir um único minuto de refrigério, pois a cada hora que passa, surgem medidas e mais medidas restritivas por parte do Governo Federal sobre o povo e as instituições nacionais, com a desculpa de se retomar o crescimento do país como um todo. A bola da vez do momento (ou uma das bolas da vez) é que o partido político do presidente #Michel Temer, o #PMDB, fez uso do seu perfil oficial na rede social do Facebook para transmitir em tom afirmativo a ideia de que se a reforma previdenciária não passar pela análise do Congresso Nacional, definitivamente isso representará a extinção do “Bolsa Família” e de outros programas de caráter social.

Publicidade
Publicidade

Tanto é assim, que imagem montada para web mostra uma cidade caindo aos pedaços e a frase bombástica do PMDB que diz o seguinte: “se a #Reforma da Previdência não sair tchau Bolsa Família, Adeus Fies, sem novas estradas, acabam os programas sociais”.

O cenário que os governistas tentam passar pela mídia é tão apocalíptico que há até a hashtag #PraCegoVer, que afirma que o Brasil não terá mais nenhum investimento prioritário por mais tímido que esse possa ser; logo, adeus ao saneamento básico, não à conservação e melhorias nas estradas, aeroportos e portos e ocorrerão ainda os cortes na medula daqueles que são considerados programas sociais imprescindíveis. Por outro lado, repentinamente, o mesmo governo que anuncia “o fim do Brasil”, como que em um passe de mágica, vem com a solução para que nada disso venha a ser uma realidade.

Publicidade

E qual é a resposta? Reforma da Previdência!

Tanto para as forças que apoiam Temer e sua trupe quanto para os críticos diversos do presidente, o foco legislativo crucial dos que ocupam o poder no Planalto Central, são as campanhas publicitárias na TV, rádio e outros meios de comunicação, que querem a todos custo a aceitação de mudanças tão drásticas no quadro social brasileiro.

Acontece que o tema em questão é tão espinhoso, que não demorou para ser bombardeado, principalmente no que diz respeito à idade mínima necessária para se obter a aposentadoria, que é de 65 anos, ou seja, o indivíduo terá de labutar por exatos 49 anos e só assim terá direito ao chamado benefício integral ou total da aposentadoria.

A coisa é tão séria, que o texto da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), feita especialmente pelas forças de Temer no sentido de mudar a Previdência, sofre objeção inclusive de membros da própria base governista, a qual quer que o Poder Legislativo mude o texto inicial do Executivo.