Uma proposta de projeto de lei que está sendo analisada no Senado Federal tem causado apreensão de todos os lideres de denominações religiosas no Brasil. O projeto visa acabar com a isenção fiscal que as igrejas desfrutam no Brasil.

A atual proposta teve início em um movimento na internet e, principalmente, nas redes sociais, e vem ganhando força a cada dia que passa. A proposta lançada na página do Senado, como ideias legislativas, alcançou milhares de assinaturas favorável ao projeto em poucos dias, e será analisada pelas comissões que tratam dos assuntos referentes a proposta no Congresso Nacional.

Já na Câmara, o deputado Arthur Oliveira Maia, do PPS da Bahia, é relator do Projeto de Emenda a Constituição que trata do fim de isenções fiscais para entidades sem fins lucrativos.

Publicidade
Publicidade

Segundo o deputado, se aprovada a PEC, o Governo Federal arrecadará cerca de quase 13 bilhões a mais e servirá principalmente para ajudar a reduzir o déficit no INSS.

Na contramão da proposta, a bancada evangélica refuta veementemente o projeto. O deputado Marco Feliciano alega que as igrejas evangélicas contribuem para um trabalho social importante no país, fazendo muitas vezes o papel que o Estado não consegue fazer, que é dar o apoio psicológico a muitas famílias. Também alega que muitas igrejas mantém creches e casas de recuperações de dependentes químicos, ajudando o Estado a resolver vários problemas crônicos dentro da sociedade.

O atual presidente da República, Michel Temer, ainda não se manifestou concretamente referente ao projeto, mas sua equipe econômica tenta a todo custo aprovar reformas econômicas visando diminuir o rombo das contas públicas.

Publicidade

Se por um lado os lideres evangélicos lutam por mais espaço na #Política, visando aumentar suas representações no espaço democrático do Congresso Nacional, por outro lado, movimentos nas redes sociais buscam cada vez mais apoio a projetos que dificultam o acesso dos religiosos aos projetos discutidos na nação. Só nos restam aguardar para ver quem sairá vencedor nessa proposta. #Igreja